Lisboa - Funcionários do Jornal de Angola observam no   seu DG,  José Ribeiro, uma postura que o coloca na  posição de renegação a Ministra da Comunicação Social, Carolina Cerqueira. Ribeiro, segundo,  revelam denota reconfortado na pele de quem recebe orientação directa da  Presidência da Republica, razão pela qual é descrito  como  não estando na condição de reconhecer autoridade em  Carolina Cerqueira.


Fonte: Club-k.net

Não se revê na liderança da Ministra

Um dos sinais, entendido como  indicador do não reconhecimento que o mesmo revela em relação a Ministra Cerqueira, aconteceu por altura do falecimento do esposo daquela. Jornalistas das edições Novembro  teriam sentido em Ribeiro sinais que apontavam  a desnecessidade de o Jornal de Angola publicar  “excessos” das notas de condolências que chegavam a redacção em solidariedade a Carolina Cerqueira. Corre  que uma chamada de atenção  do Vice-Ministro Miguel de Carvalho “Wadjimbi” teria sido essencial para a inversão do cenário.

 


O “despreso” que se atribui a José Ribeiro quanto a  Ministra   é extensivo a uma corrente conotada ao mesmo que desaprova procedimentos de acção  do elenco do gabinete de  Carolina Cerqueira.  A figura da entourage da ministra  a qual recaem criticas é uma funcionaria identificada por Solange Machado. A corrente (de jornalistas) associada a José   Ribeiro invoca que Solange Marta passou a ser empecilho na comunicação com a Ministra. É Solange Machado que passa a atender  o telefone pessoal de Carolina Cerqueira. Diz-se que até pretensões de entrevistas, a referida funcionaria exige que se faça um prévio  pedido por escrito. (Atitude reprovada pela ala de Zé Ribeiro)

 


De acordo com vaticínios, Ribeiro não estará na posição de se revê na liderança de Carolina Cerqueira por sentir que tem  relações privilegiadas com elementos do circulo presidencial de quem recebe orientações. Informações nunca desmentidas apontam-lhe próximo de  Aldemiro da Conceição e de José Mena Abrantes, ambos funcionários do gabinete presidencial.  Faz passar a mensagem de que esta prestes a ser nomeado PCA do Jornal de Angola, a luz do novo estatuto organico aprovado pelo Presidente da Republica. O seu circulo entende que a alegada  nomeação (a ser feita)   deve-se  pelo  reconhecimento  que se diz  gozar do sector da presidência angolana e não da ministra. 

 

De recordar que José Ribeiro é um veterano jornalista que passou a gozar da simpatia do sistema  angolano por denotar hábilidade no uso da informação ao gosto do regime do MPLA. (propaganda, manipulação e desinformação).  É reconhecido pelo protagonismo que teve quando andou em Portugal como adido de imprensa da embaixada angolana, numa altura em que  se requeria trabalho habilitado em termos da mensagem que anulariam  sectores Lusos com afinidades  a Jonas Savimbi. Há versões que  anulam o seu pragmatismo  pelo facto de o seu trabalho ter sido  exercido por lobbies portugueses do regime angolano.

 


Ainda nos dias de hoje a quem o apontem como estando a recorrer aos “lobbies”. Uma das figuras a si ligada e  que é descrita como estando a desempenhar tal papel é   o luso-angolano Artur Queiroz, figura  que “cozinha” os seus textos. Queiroz esta no Jornal de Angola como assessor de Zé Ribeiro. É citado  como  uma figura “muito” controversa. Na pratica funciona como “o garante da linha editorial do JA”  ou “activista da presidência” enquanto que José Ribeiro  faz o papel formal de director. (Os editoriais do Jornal  são igualmente de autoria de  Queiroz, que faz a ponte com a presidência)

 

Artur Queiroz veio para Angola com a proposta de ser,  dirigente da Media Nova, a empresa de comunicação  social privada conotada ao circulo presidencial. Devido ao seu carácter “confusionista”, afastaram-no do projecto. O compromisso foi encostarem-no no Jornal de Angola. É alvo de criticas por parte dos trabalhadores  pelo ambiente não muito bom que cria. (O DG José Ribeiro revela-se desapontado quando os colegas acusam-no de ser maioneta de  Artur Queiroz.)

 

Refundado logo após a Independência Nacional,  o Jornal de Angola é desde o seu surgimento a única publicação diária no país. Tornou-se numa publicação sem credibilidade depois de José Ribeiro ter enveredado para uma linha editorial de bajulação e de culto de personalidade ao  Presidente da Republica. Passou a ser tratado por Jornal PRAVDA.  Há , entretanto, sectores em Angola que ainda consomem o jornal para acompanhar as paginas de necrologia.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: