Lisboa –  O director da TPA- Uíge, Patrick Luvuezo  é acusado de ter  se apoderado de um carro de reportagem daquela empresa para fins que se desconhece. Por falta da viatura, os  jornalistas com realce aos que  saem do serviço a madrugada para prepararem as correspondências com “o bom dia Angola” e “Ecos e Factos”  respectivamente. Outras  reportagens são feitas com as viaturas dos próprios repórteres.


Fonte: Club-k.net


A viatura confiscada por Patrick Luvuezo é  de marca  Mitsubich (cor branca) e  havia sido entregue pela direcção geral da TPA para a direcção provincial do Uíge nos meados de 2009. Depois de apresentar uma avaria na placa de transmissão eléctrica a viatura foi transportada para Luanda a fim  de ser reparada na oficina da referida empresa (TPA), porem, logo após  a conclusão dos trabalhos,  os mecânicos procederam a entrega do referido meio ao então director da TPA Uíge,  Patrick Luvuezo.


Há dias os motoristas da empresa quiseram saber da situação da viatura e o director Patrick Luvuezo respondeu-lhes para  “não meterem se nestas coisas”.


Ocorrente a cerca da carência de transporte na delegação provincial da TPA, o governador Paulo Pombolo ofereceu uma viatura de marca Toyota Land Cruiser cor branca (até agora sem matrícula) mas por ordens do Patrick “só um motorista está autorizado a conduzir o carro”.


O receio que os funcionários tem por saber que Patrick Luvuezo não ira devolver a viatura a empresa é baseado no antecedente ao tempo em que o mesmo trabalhava na província do Zaire como director. Notabilizou-se por ter se apoderado de três viaturas sem o conhecimento oficial da  direcção geral da empresa nem do Governo provincial do Zaire.  


O director provincial da empresa estatal de televisão é descrito como tendo deixado de confiar nos trabalhadores. Argumenta-se que este sentimento alastrou, no ano passado quando o Club-K publicou um artigo a cerca dos problemas da TPA naquela província. Em privado alega que o artigo publicado lhe serviu de  fama.   “Há pessoas que não sabem que eu sou o Director da TPA Uíge agora aquele que escreveu na Internet só aumentou a minha fama.”

 

Todas as vezes que se desloca a Luanda, em serviço ou não, não aceita que ninguém o substitua interinamente por alegada falta de confiança.


Registro do clima menos bom criado pelo  mesmo:


- Uma das suas confiadas colaboradora esteve em Luanda durante quase cinco meses por alegada doença e regressou por saber que o director entraria em férias neste mês de Janeiro.


-  As duas câmaras de filmagens compradas pelo governo da província do Uíge encontram-se a dois meses no gabinete de Patrick e nunca fora usadas por alegada falta de profissionais. Uns dizem que estão a ser preparados em Luanda outros técnicos para usarem o referido equipamento.


- Outra máquina de edição de imagens também está no seu gabinete e nunca foi usada enquanto os trabalhadores largam tarde por terem apenas uma Ilha de edição e existem dois editores de imagens que  compartilham a mesma máquina já em estado absolecto.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: