Luanda - A maioria dos angolanos que faz parte dos quadros das empresas chinesas trabalha mais horas e tem salários inferiores comparativamente àqueles que estão empregados em empresas ocidentais. Esta conclusão foi feita por um estudo do Centro de Estudos e Investigação Científica da Universidade Católica de Angola (Ucan).


Fonte: SOL/Angop


De acordo com os dados a que a Angop teve acesso, durante a pesquisa foram inquiridos 325 trabalhadores angolanos dos sectores petrolífero (23%) e da construção civil (77%).

 

Desta amostra, apurou-se que pelo menos 84% dos angolanos empregados na empresas chinesas trabalham mais de oito horas por dia e têm uma remuneração inferior aos que trabalham nas empresas ocidentais - 86% dos inquiridos que trabalham nas empresas chinesas ganham menos de 300 dólares, enquanto que nas ocidentais essa percentagem é de 33%.

 

No que diz respeito ao nível de escolaridade, concluiu-se que, nas empresas chinesas, cerca de 80% dos trabalhadores tem o ensino básico, comparativamente aos 50% das empresas ocidentais.

 

Por outro lado, relativamente às relações laborais, os angolanos nas empresas chinesas têm uma percepção mais favorável dos seus colegas do que os angolanos que trabalham nas empresas ocidentais.

 

No entanto, a maior parte dos trabalhadores nacionais respondeu que prefere trabalhar nas empresas ocidentais devido ao facto de o salário ser superior.

 

As relações de cooperação bilateral (Angola/China), de acordo com o documento, têm vindo a evoluir favoravelmente e a perspectiva é de alargamento e de consolidação.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: