Benguela - O alerta vem dos funcionários afectos aquela unidade bancária, “Rede Express24” das cidades de Luanda e Benguela, que durante um contacto aturado pela nossa reportagem, os empregados falaram longamente dos cerca de 45 mil Kuanzas que auferem mensalmente.


*Israel Samalata
Fonte: Club-k.net


Lançados num jardim doloroso, os filiados deploraram o facto de os salários que recebem, não chegarem para cobrir as necessidades primarias ( alimentação, água, energia e arrendamentos das residências em que habitam), para além do pagamento das propinas escolares.


Os trabalhadores disseram também a este órgão que, quando falamos dos nossos problemas e incertezas, varias figuras da sociedade civil não acreditam naquelas que são, as dificuldades que vivemos. Sabe-se que, um funcionário do banco não tem queixas de salários.

 

Apesar dos apelos que os funcionários da Rede Express24 têm vindo a deixar, estes vêm nos últimos tempos as suas liberdades a serem restringidas, com ameaças de serem atirados ao abandono. Refira que, no BNI, “Banco de Negócios Internacionais” foi decretado “silenciosamente” o auto afastamento, para aqueles que sentem-se embaraçados com os péssimos salários.


Esta, é a dor que angustia, o conjunto de funcionários “trabalhadores” daquela unidade bancária BNI.


Os saques intensivos aos bancos angolanos, inscrevem-se precisamente no fraco pagamento dos funcionários, lembrou um funcionário que pediu o anónimo. Os funcionários das cidades que temos vindo a citar, deixaram um repto as autoridades angolanas no sentido de pôr termo ao dossier e uniformizar o salário das unidades bancárias do país. O caso, ao que tudo indica está a arrasar o grupo BAI. 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: