Estamos diante da verdade

Minha decepção pela não existência do Angolagate está em reverter minhas análises, de que foi graças ao Angolagate  que  a guerra em Angola acabou; foi graças a esse  suposto malabarismo de serviços de inteligência e secretos, que a inteligência angolana, em situação  difícil e de desespero ultrapassou as normas legais, as regras que o mundo civilizado exige, para infringir o último golpe mortal à guerrilha de Jonas Savimbi. Que pena que não foi o Angolagate; que fulminou e arrasou de maneira definitiva as ambições  savimbistas.

Estou, relativamente, decepcionado em saber que o Angolagate não foi o esquema final que tanto se pintou mundo a fora, diga-se,  no famigerado mundo Ocidental. Onde qualquer mentira repetida três vezes transforma-se numa verdade incontestável e certeira, herança nazista e fascista da Alemanha Hitleriana.  Vamos ver agora se as mesmas  mentalidades que andaram acreditando, cegamente, no Angolagate terão a mesma  capacidade de  regenerarem-se,  de recuperarem-se depois de essa mentira colossal que o mundo Ocidental Europeu “civilizado” tem nos  habituado. Interessante saber que esse  é o principal pilar das suas democracias: a mentira descabida, a falta de respeito e  consideração a povos e nações inteiras.

Já que estamos diante da verdade, verdade inquestionável, todos esses canais de informação que andaram difundindo a mentira como meio de destruição massiva  de mentalidades. Agora deveriam no mínimo dar-se o trabalho de dizerem ao homem europeu  “civilizado”, “culto” e “democrático” que mais uma vez foi enganado. E que as ditas democracias existentes no continente não podem ser vistas como um produto de exportação para as ex-colônias. E que cada um ( povo ou nação) deve saber  o que fazer  com o lixo que produz.

Possivelmente nunca se saiba a verdadeira estratégia e  o esquema que neutralizou e enterrou essa guerrilha tribal encabeçada pelo guerrilheiro de Mwangai. Mas a versão do Angolagate onde se incluía como missão principal o tráfico de armas e a de influências  para se romper um bloqueio muito mal intencionado; com o propósito de se tirar um país do holocausto em que se encontrava, justificava   a missão mais honrosa e gloriosa que um agente à estilo de James  Bond jamais recusaria cumprir a mesma.

A mesma missão ( quer seja o Angolagate ou não), não é para menos, deve dar um bom livro, um bom filme, uma boa peça de teatro glorificando as aventuras de um grupo de homens Mwangolês tarimbados e arrojados com  a missão inquestionável de salvar a vida de milhões de seres  humanos. Com a missão de chumbar, fulminar, arrasar as aventuras fracassadas do guerrilheiro traficante de diamantes de sangue.

Mas por enquanto deixemos de ironias, brincadeiras e vamos direito ao assunto. A crença no Angolagate  e outras mentiras por aí é o outro lado da política angolana caracterizada pela  mentalidade infantil e desequilibrada que  devemos aprender a lidar com ela. É a prova, ainda, de que aqueles que internamente andaram difundindo  e espalhando tal mentira jamais devem   alcançar o poder;  é a prova de que a chamada democracia representativa  não é feita simplesmente de pessoas sérias, democráticas, patrióticas e lutadores pela liberdade; é  a prova de que,  além de políticos sérios vítimas de toda mentira e falsidade, também, lidamos com bandidos. Isso, também, constitui prova de que alguém de vez enquanto pode entrar num lugar como esse e dar-se o direito de clamar em voz bem alta contra todas  essas mentiras, berrando aos quatros ventos: isso não funciona,  não pode ser, onde estão as provas , e como conseqüência  tudo isso  não pode ser  verdade. 

E, ainda, com certeza, de que jamais devemos sair por aí imitando valores políticos, em particular a democracia que se tem vendido nesse mundo depois da caída do muro de Berlim. É uma vergonha, é a barbárie, saber que se mente tanto a tanta gente, em plena era da informação. Inacreditável saber que se acredita, tanto, em tanta mentira. A pergunta que devemos fazer é: quem é que ganha com esse tipo de democracia,  quando se desinforma a milhões de seres humanos? Precisamente aqueles que são antidemocráticos, vândalos, traidores, vende-pátrias  e os que vivem fazendo apologia ao passado: ou melhor, ao colonialismo e ao neo-colonialismo.

Mas nisso também existe algo interessante. Tem aqueles que fazem questão de acreditar em mentiras, mesmo quando são pessoas bem informadas e instruídas, porque têm uma missão a cumprir, ou foram incumbidos pelos seus patrões  para desempenhar tais funções: difundir a mentira, provocar pânico, desconfiança, desordem, agitação com tendência reacionária e provocar imundice na mentalidade das pessoas que, infelizmente, têm pouco discernimento. Como resultado  disso vê-se, mundo a fora, resultados eleitorais catastróficos. A própria nação, nações inteiras, agem de maneira absurda  e reacionária com o seu próprio destino, ou com o destino de outros povos. E é nisso que surge, por exemplo, a legitimação das guerras, da pobreza, do racismo, da exploração evidente  e assumida do homem pelo homem.

Isso é a prova de que com essas democracias, da desinformação, que existem por aí o processo evolutivo da humanidade está em  xeque. E deixa muito a desejar. Assim, evoluirá sem entraves e sem as conseqüências do atraso, aqueles  governos e  estados que assumirão as responsabilidade não simplesmente de democratizarem suas nações no critério já reconhecido  e aceito por todos: a chamada democracia representativa. Mas também se os mesmos, estados ou governos, assumirem a liderança de educar e instruir seus povos e nações. Qual quer país, povo ou nação é composto de gente, e é sobre essa gente, indiscutivelmente, que deve recair toda educação e instrução.

Nós clamamos, por cultura de verdade, conhecimento, informação verídica, pelo que de melhor a civilização humana criou até hoje, porque é disso que depende a nossa  sobre-vivência. E não do lixo produzido pelas mentalidades mesquinhas, pobres e  reacionárias,  não importa onde elas estejam e de onde venham, serão sempre rejeitadas.

* Nelo de Carvalho
Fonte:
www.a-patria.net



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: