Luanda - Angola precisa sim de uma "Revolução". Porém, essa “Revolução” é da RAZÃO e do AMOR!... unipessoal. Ou seja, para cada um dos angolanos e angolanas existentes. Repito, Revolução da "RAZÃO" e do "AMOR"!!!...  Da Razão do que é a verdade dos factos, da vida, do dia a dia, da realidade angolana e do angolano confrontada com a dignidade humana; e da força genuína e invencível do Amor dedicado, atento, corajoso, que cuida, permanentemente, e sem medida...


Fonte: Club-k.net

Solidariedade a todos os níveis e mentalidades!...

Só se é verdadeiramente livre quando se ama de verdade. O verdadeiro AMOR associado à RAZÃO (justa, sincera e imparcial) constituem uma das maiores forças que existe sobre a terra. Não há força maior do que esta, que a consiga derrubar ou destruir. Partindo também do facto de se saber que “não há maior prova de amor do que aquele que dá a vida por um irmão”. É bíblico... Pensa nisso!...


Amar não é aceitar tudo. Aliás: onde tudo é aceite, desconfio que há uma grave falta ou um grande deficit de amor.


Dizia o grande Theodore Roosevelt:

 "É muito melhor arriscar coisas grandiosas, alcançar triunfos e glórias, mesmo expondo-se a derrota, do que formar fila com os pobres de espírito que nem gozam muito nem sofrem muito, porque vivem nessa penumbra cinzenta que não conhece vitória nem derrota".


Na verdade, caros compatriotas, camaradas e amigos, pouco se aprende com a vitória, mas muito com a derrota.


"Derrota após derrota até a vitória final!..."

Porém há que reconhecer a derrota e saber os “porquês”... Jamais se fazem “revoluções” (que significam, sobretudo, mudanças substanciais para melhor) com ridículos individualismos imbuídos de egocentrismos egoístas, nem com invejas absurdas. Jamais se fazem revoluções sem um forte sentido de união, responsabilidade definida e objectiva, método, coragem profundamente abrangente e capacidade de resistência!...

 

Meu amado povo angolano, este ainda é um tempo de muito trabalho, de grande reflexão, de preparação. Jamais para se cair no caos... Respeito todos e cada angolano. Sem excluir ninguém. Independentemente da religião, do sexo, da idade, da cor política, da etnia, da cor da pele, do ser rico ou pobre, etc.. Luto por uma Angola livre, justa, lúcida, pacífica, unida, organizada, moderna e exemplar... onde todos e cada um são importantes e tenham direito de viver a sua vida em paz, com dignidade e em harmonia.


Se não são possíveis revoluções (pacíficas) radicais existem as “revoluções” legítimas, em democracia e, civilizadamente, que se chama: ELEIÇÕES LIVRES, justas e democráticas. Pensem nisso!...


Por conseguinte, alerto, que neste ponto e, atualmente, há uma grande falha na comunicação social, sobretudo, na pública, onde se tem feito pouco relativamente ao papel de informar com verdade, diversidade, imparcialidade e equilíbrio para todos os angolanos, sem excepções!... Ainda que também e, de facto, a informação não seja tão abrangente para o grosso da população.


Por outro lado verifica-se que os políticos angolanos precisam, impreterivelmente, de muito mais diálogo, apresentando muito mais propostas políticas! Sobretudo a oposição que ao invés de apenas protestar deve, impreterivelmente, informar (com simplicidade e bem) e apresentar novas propostas alternativas.


Por exemplo, o cidadão comum deve ser informado e esclarecido para o “novo sistema” do acto eleitoral que se realiza para o próximo ano de 2012!... É que na escolha dos deputados, os angolanos irão eleger, ao mesmo tempo, o Presidente da República... e não é seguro que o cidadão comum, eleitor, esteja ou vá receber formação cívica suficiente para se aperceber das alterações subtis, mas profundas!... 
 

Entretanto, recuso-me veementemente a participar ou a apoiar qualquer revolução de sangue. Ou que possa originar sangue... Quem ama verdadeiramente Angola sabe do que falo, sem cobardias mas, frontalmente!... Meu povo já está farto de sangue. Angola não é nem pode ser um “prato cheio” e fácil para: os “condes drácula”, os filhos e amigos dos mesmos; para os “mordomos” do conde drácula e seus súbditos; ou para os “vampiros” e muito menos para “abutres” de toda a espécie e de todas as cores. Cuidado com as “ratoeiras”... Sobretudo de quem está no poder!!! Infelizmente ainda são várias as características que obscurecem esta política governamental. Não é próprio de uma democracia que se quer transparente, lúcida, justa, impecável, do povo e para o povo!... Uma democracia existe para servir o povo. Jamais para se “servir a si própria... Um país civilizado e evoluído não se vê pela forma como trata os seus mais ilustres cidadãos... Mas como cuida e trata os seus mais simplórios, “pequeninos” e pobres. Pensa nisso!...


Angola precisa, urgentemente, de 5 grandes reformas importantes:

 

Reforma educacional

Reforma na saúde

Reforma judicial

Reforma habitacional

Reforma salarial

 

Todavia, Angola e cada angolano consciente precisa com certa urgência de uma “revolução” sim... mas primeiramente interior!... Uma revolução da RAZÃO e do AMOR com base nos direitos humanos, na essência do que é, de facto, ser HUMANO e filhos do mesmo Deus. Precisamos de uma revolução com base na verdade dos factos, que vá beber ao âmago ou à essência do que é, realmente, Angola e do que é ser verdadeiramente angolano!!!... Uma tomada de consciência. Sem traumas... Sem arrogância explicita, sem racismos, sem xenofobismos. Uma revolução de mentalidades!... Baseada no estudo, no trabalho, na informação, na palavra, no conhecimento e grande solidariedade (posta em prática) entre todos. Com base nisto (meu ponto de vista) e só assim (posteriormente) se podem levar a cabo "outras" revoluções pacíficas ou mudanças substancialmente justas, fortes, determinadas e coerentemente consistentes!!!... Nada se faz de melhor e muito bom neste mundo sem coerência de vida!!! Coerência entre o que se diz, o que se faz, e o que se pensa... e o que de novo se vai aprendendo e assimilando pela vida fora... Portanto, coerência para com a verdade!... Dos factos.

 

 Hoje, a minha oração sincera e sem traumas é esta: concedei-nos, Senhor, serenidade necessária e destreza mental, para  "aceitar" as coisas que não podemos modificar, coragem para modificar aquelas que podemos; sabedoria, perseverança e determinação para distinguirmos umas das outras e preparar o triunfo para uma Angola com muito mais justiça social, onde ninguém fica para trás ou esquecido; com direitos e oportunidades iguais... com real progresso; com amor autêntico e expansivo, com verdadeira alegria interior e união entre todas as diferenças pelo mútuo respeito... bem alicerçada na paz. Ensina-nos, Senhor, o caminho a seguir e dá-nos força, inteligência e determinação para a mudança e para edificar este país que também é Teu! Amen.

 

Angola precisa duma consciência de liberdade responsável, ordem e método (onde tudo por si mesmo funcione... instituições, trabalho, etc) e de verdadeira paz. Sobretudo aquela PAZ "inquieta" (que não dorme à sombra da bananeira esperando que o outro faça ou que o “último feche a porta”)... Mas uma paz que está atenta, que quer o bem do outro... Uma paz dinâmica, recíproca e empreendedora de valores benéficos ao ser humano. Paz essa que começa no coração de cada um de nós, angolanos. Certeza do caminho a seguir! Todavia, a paz, a todos os níveis, não se alcança nem se conquista com apatia ou inércia... Nem com vinganças.... Porque enquanto houver, em Angola, um “estômago em guerra” e grandes injustiças sociais, jamais haverá verdadeira paz.  :) Pensem nisso!... Depois, jamais nos podemos esquecer que o verdadeiro amor, sobretudo, pela pátria, não tem "medos"! Nem se deixa intimidar. A nossa história diz-nos e ensina-nos que jamais fomos cobardes!!! Sobretudo, quando se trata da verdade, da justiça e da Paz. O que nós sempre tivemos foi um grande espírito de sacrifício... Porém, jamais cobardes!


As alternâncias num poder político que se quer moderno e verdadeiramente democrático só são sinónimo de inteligência, de maturidade política e social!... Mas jamais com sangue ou qualquer outro tipo de violência. Exige, positivamente e, sobretudo, sintonia e respeito com e por todas as diferenças... Onde todos e cada um são responsáveis, importantes e têm algo a dizer!


Termino com um ditado bem popular norte americano, muito antigo, mas bastante praticável até aos dias de hoje nos E.U.A. (por isso são hoje, tb, uma grande potência):

 

"Quem perdeu o dinheiro não perdeu nada

Quem perdeu a saúde

Perdeu um pouco

Quem perdeu a CORAGEM

Perdeu tudo"!!!...

 

Um abraço com um beijo no coração a cada um dos meus queridos amigos angolanos...


Saudações sinceras e cordiais a todos aqueles que de uma forma ou de outra amam e respeitam, verdadeiramente, Angola!



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: