Berlim - A Daimler detentora e fabricante da marca Mercedes anunciou esta semana o fim do contrato com a Deminpex, empresa belga a quem tinha concedido  direitos de comercialização dos seus modelos em Angola.


Fonte: NJ


O anúncio foi comunicado à Voz da Alemanha esta segunda-feira. Em Novembro passado aquela estação emissora pediu ao gigante alemão para que reagisse às denúncias do jornalista e activista Rafael Marques, publicadas naquele mês segundo as quais, os negócios que tinha estabelecido em Angola violavam a lei da probidade administrativa, no artigo 25, 1, A, que proibe os titulares de cargos públicos de fazerem negócios com o Estado.

 

Na altura a Daimler escreveu uma carta à Voz da Alemanha e a Rafael Marques, na qual dizia que levava muito a sério a transparência dos seus negócios e que tinha uma política de tolerância zero em relação à corrupção.

 

Rafael Marques identificou como parceiros da Mercedes, o general Manuel Hélder Vieira Dias, «Kopelipa», chefe da Casa Militar da Presidência da República, assim como o director adjunto do GRN, Manuel Van-Dúnem «Manecas». Ambos são citados como accionistas principais da Autostar, empresa com quem a Deminpex tinha estabelecido uma sociedade de representação da Mercedes em Angola.


A denúncia dizia também que a aquisicão e assistência das viaturas da Presidência da República junto da AutoStar, representava um benefício para o general «Kopelipa», o que traduzia numa violação grosseira à lei da probidade, ou lei Nº 3/10 aprovada em Março de 2010. Rafael Marques dizia também que a Autostar tinha sido erguida numa área de 89 mil quadrados, parte de um terreno expropriado a camponeses em Viana, a quem foi dito que o espaço seria integralmente dedicado à Zona Económica Especial, então gerida pelo GRN.


Na terça-feira a Voz da Alemanha entrevistou Rafael Marques a partir de Washington, onde se encontra a beneficiar de uma bolsa de investigação concedida pelo Fórum Internacional para os Estudos Democráticos.

 

De acordo com aquele activista a decisão da Mercedes “é um bom exemplo para outros investidores. Assim passam a perceber que estão a ser investigados e que correm riscos de pagarem nos seus países por actos de corrupção que cometem em Angola”.

 

Além da comercialização dos seus modelos, a Mercedes em sociedade com a Deminpex e a AutoStar, pretendia erguer uma linha de montagem de autocarros EvoBus e de camiões. De acordo com o presidente da AutoStar, Jörg Nührmann, os investimentos para estas empreitadas estão orçados em 200 milhões de dólares.

 

Na carta que enviou à Voz da Alemanha a Daimler negou que a sua decisão fosse resultado das denúncias de rafael Marques.


Para todos os efeitos a decisão que tomou deixa-a em melhor posição da que fricou outra multinacional alemã, a Siemens, que em 2008 foi multada nos EUA em um bilião de dólares,por prática de suborno na obtenção de negócios em várias partes do mundo.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: