Luanda - O Ministério da Comunicação Social lamentou, em nota chegada hoje à Angop, em Luanda, o desaparecimento físico do padre e jornalista Muanamosi Matumona, director da Rádio Ecclésia, e considera o infausto acontecimento um “empobrecimento para a classe e para a família eclesiástica”.
 

Fonte: Angop


“Foi com profunda dor que o Ministério da Comunicação Social tomou conhecimento do passamento físico do padre Muanamosi Matumona, ocorrido no dia 13 de Abril, no Hospital Militar Principal, em Luanda”.
 


Em nota de condolências assinada pela ministra Carolina Cerqueira assinala-se que Muanamosi Matumona, director da Rádio Ecclésia, ex jornalista do Jornal de Angola e do Jornal dos Desportos, defendia a existência de uma filosofia africana, contrariamente ao que muitos investigadores ocidentais e angolanos afirmam.     


 
Para a ministra Carolina Cerqueira, o padre Matumona “é exactamente um exemplo de que o jornalismo é uma profissão sem fronteiras rígidas, que se enriquece com a presença de profissionais com formação noutras áreas do saber científico, por aquilo que demonstrou - ser teólogo, padre, sociólogo e ao mesmo tempo jornalista”.
 


“Este infausto acontecimento empobrece a família eclesiástica e a Comunicação Social perde assim um quadro cujo percurso foi marcado pela sua contribuição no jornalismo”, sublinha a governante, para quem com a sua partida o sector “perde um profissional de extrema dedicação e audácia, criatividade e talento, cujo legado será motivo de incentivo para as futuras gerações do jornalismo angolano”.


 
À família enlutada, ao colectivo da Rádio Ecclésia e à Igreja Católica, em nome do Ministério da Comunicação Social da República de Angola “apresentamos os nossos mais sentidos pêsames”, conclui a nota assinada pela ministra Carolina Cerqueira.
 


Numa outra nota de condolências, o Comité Provincial de Luanda do MPLA afirma ter tomado conhecimento, com profunda consternação, do passamento físico do director da Rádio Ecclésia e do Jornal Apostolado, o reverendo padre Muanamosi Matumona, ocorrido no dia 13 deste mês. 
 
“Este insigne filho da Igreja Católica deu um enorme contributo ao desenvolvimento do ensino e do jornalismo nacional, através do seu trabalho nestes campos, tendo deixado para as gerações futuras uma vasta e variada obra nas áreas da sociologia e da filosofia, entre outras”, lê-se na mensagem do Comité Provincial do MPLA de Luanda, assinada pelo seu secretário para informação, Fragata de Morais.
 
Aquela estrutura do MPLA conclui a nota frisando que “nesse momento de dor e luto endereça o seu mais sentido de pesar à Igreja Católica e seus fiéis, bem como à família enlutada, por esta perda irreparável”.
 


Comité Central do MPLA lamenta a morte do padre Muanamosi

 
O Comité Central do MPLA lamentou nesta quinta-feira a morte, por doença, do padre Muanamosi Matumona, director da Rádio Ecclésia, ocorrida quarta-feira (13), no Hospital Militar Principal, na capital do país.
 


Numa nota de condolências chegada à Angop, o partido governante endereça à família enlutada, aos trabalhadores da Rádio Ecclésia e à Igreja Católica em Angola "os seus mais sentidos de pesar".


 
Quem também se associou à dor e ao luto pelo passamento físico do prelado católico foi o Governo Provincial de Luanda, a Comissão Política Permanente da FNLA e a Sociedade Mineira do Catoca, que manifestam a sua consternação pelo infausto acontecimento
 

 

Sindicato dos Jornalistas junta-se à dor pelo passamento do padre Matumona Muanamosi

 

O Sindicato dos Jornalistas Angolanos diz-se surpreendido com a notícia da morte do padre Muanamosi Matumona, ocorrido na noite de quarta-feira no Hospital Militar Principal, em Luanda, vítima de doença.

 

Numa mensagem de condolências, endereçada nesta quinta-feira à Angop, o SJA refere que este acontecimento não só deixa chocada a classe jornalística, mas abala também um dos seus principais pilares: a formação.

 

"O padre Matumona era dos académicos com mais actividade investigativa em jornalismo, tendo publicado duas obras em 2002 e 2008, o que lhe conferia um estatuto de mestre dentro da classe", lê-se na nota.

 

O Sindicato dos Jornalistas Angolanos sente-se, por isso órfão com o passamento físico do reverendo Padre Muanamosi Matumona cujo último contributo para a instituição foi ter presidido à Comissão Eleitoral, que elegeu a actual direcção, no ano passado.

 

 
"À família enlutada, a sua Diocese, aos colegas da Rádio Ecclésia, do Jornal dos Desportos e da Angola, e a toda classe, o SJA endereça os seus mais sentidos pêsames. Que a sua alma descanse em paz", conclui a mensagem.