Lisboa - A forma como o general Pedro Morais  Neto  foi singularmente afastado do cargo  de embaixador de Angola na Zâmbia esta a ser interpretada, em alguns meios em Luanda, como uma manifestação  de JES em dispensá-lo para estar ao serviço da Federação angolana de futebol.


Fonte: Club-k.net

Artur preferido dos apartidarios

A conclusão que se baseiam no suposto apoio de JES é apoiada nos seguintes pontos,  a saber:


- Esteve em vias de ser nomeado embaixador na Nigéria; decisão retraída em função da sua corrida a liderança da FAF.

- A sua lista é integrada pelo  general  António França “Ndalu”, figura de alta confiança do presidente angolano. 


Fora de tais círculos insinua-se que a “Lista A”,  liderada por Pedro Neto é uma lista politizada devido a ligação estreita dos seus integrantes ao regime angolano. Tal receio de politização ao desporto faz com que esteja em maior desvantagem em relação ao seu opositor Artur de Almeida a quem se diz “ter apresentado o melhor projecto” (Alega-se que Pedro Neto foi a um programa de televisão e mostrou  não ter domínio do seu programa de apoio)


Ainda em tais  meios ligados ao desporto, o candidato Artur de Almeida é referenciado como “bom gestor” devido ao  lado de empreendedor que notam no mesmo.  Tais círculos desportistas renegam  Pedro Neto sob alegação de  que no seu  tempo, de  Presidente do   1º de Agosto teve um  consulado “desaconselhável”.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: