Lisboa –  Foi posto a circular uma carta, aparentemente  de originários da Lunda-Norte,  destinada ao Bureau Político, denunciando que o governador daquela província, Ernesto Muangala estaria a ser vitima de uma conspiração  promovida pela mesma corrente que derrubou o seu antecessor Gomes Maiato.


Fonte: Club-k.net

Delfim de JES alvo de conspiração

O grupo que promovem a conspiração  são  citados na carta como a  “A Família das Confusões da Lunda – Norte”.  Vivem em Luanda e segundo contam, os seus intermediários deslocaram-se recentemente a aquela província promovendo junto a população um abaixo assinado, destinado a pedir a cabeça do actual governador provincial. Os subscritores da carta, aludem que tal acção  não  é estranha a     um “forcing”  que segundo relatam: “agora é costume porem nos jornais privados, calunias  para afectarem a boa governação do Camarada Muangala, socorrem-se aos meios gentios para tentarem afectar a governação do outro”.

 

A carta do militantes chega mesmo a citar nomes apresentados  como leais a uma corrente interna ao qual perfilam figuras da linha partidária de “Moisés Nele, Leão Chiminhi, Jorge Catala, Norberto Santos, Narciso Damásio, Francisco Munana, Moisés Cipriano e Maria Cazuazua, a  ex vice governadora, da província”

 

O documento faz alerta ao Presidente da República e do partido MPLA, no sentido de ficar atento com o  grupo que segundo  estimam  tencionam  promover para governador  da Lunda – Norte, o  actual vice ministro da educação, (cujo nome não foi citado)   ou um elemento identificado por Leão Chiminhi descrito (na carta) como estando a “infernizar o camarada PCA da Endiama  EP,  onde ele é Administrador”


“Cda Membros do BP do MPLA o dia que tirarem o Cda E. Muangala da Lunda- Norte e porem lá esses sem imagem vão se arrepender porque esses cdas pensam que a Lunda - Norte é sua propriedade.  A Lunda - Norte depende da vontade da Direcção do nosso partido não destes camaradas de mau exemplo”, Le-se no documento.

 

Os subscritores da carta lançam um apelo ao  “Cda Presidente, Cdas Membros do BP do MPLA” para que apóiem o actual governador provincial a quem os mesmos descrevem como “disciplinado” e adiantam   que “os outros só querem intriga e aumentar o seu feitiço que nunca deixam”.

 

Mais a frente, aludem igualmente que o  elemento apresentado por  Moisés Nele deveria ficar  quieto “porque a qualquer momento o problema  da Mina do LUÓ é reactivada pelo Tribunal”. Nele é, no documento apresentado como  estando a exercer a  Profissão de Odontologista feita no ISPRA, e igualmente citado como  primo, da administradora local de Xa-Muteba, Angélica Nené Curita.


Para terminar, os  subscritores  da carta convidam o Presidente do partido a visitar a Província sob alegação de que o mesmo ira ficar satisfeito e acrescentam que o MPLA esta a crescer naquela localidade.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: