Harare - O Zimbabwe ordenou ao embaixador líbio, Taher Elmagrahi, e ao seu pessoal a deixar o seu território no fim de semana depois de eles exprimirem a sua obediência ao Conselho Nacional de Transição (CNT) líbio, que Harare se recusou a reconhecer.


Fonte: Angop

Solidariedade ditatorial

Elmagrahi e o seu pessoal reconheceram no início da semana o CNT e imediatamente foram advertidos pelo Governo de Harare de que eles seriam expulsados do país.

 

O Zimbabwe, aliado fiel do guia líbio Muammar Kadhafi, condenou os rebeldes e as potências ocidentais que combatem o seu Governo, acusando-os de desejar uma mudança ilegal de regime.

 

Num comunicado, o Ministério zimbabweano dos Negócios Estrangeiros declarou que o seu país não reconhecia a tomada de poder pelo CNT em Tripoli e, por conseguinte, não aceitará a sua representação diplomática em Harare.

 

"O Governo do Zimbabwe não tem este género de relações com o Conselho Nacional de Transição. Quando o embaixador da Jamarhiriya Líbia em Harare e o seu pessoal se juntarem ao Conselho Nacional de Transição, eles cessarão de ter um estatuto legal no Zimbabwe e deverão deixar o país imediatamente”, sublinhou.

 

"Fazer flutuar a bandeira do Conselho Nacional de Transição em Harare é um acto ilegal no quadro da lei zimbabweana", acrescentou o Ministério dos Negócios Estrangeiros.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: