Luanda - Um estudante angolano que pretende participar no domingo numa nova manifestação em Luanda para exigir a "democratização" de Angola referiu que os jovens angolanos têm "receio", mas sabem que a sua causa é "justa".


Fonte: Lusa


"Temos receio, mas sabemos que a nossa causa é justa e por isso não vamos parar", disse à Lusa Carlos Silva.


"As nossas reivindicações serão as mesmas que nas anteriores manifestações", afirmou, explicando que o novo protesto está a ser organizado por jovens e elementos da sociedade civil.


"Contamos com bastante apoio, a simpatia para com a nossa causa tem vindo a aumentar, e por isso esperamos que a adesão seja muito superior às anteriores iniciativas", acrescentou o jovem.

 

O docente universitário e membro da comissão do Bloco Democrático Nelson Pestana e o secretário-geral da Juventude Unida Revolucionária de Angola (JURA), organização juvenil da UNITA, Mfuka Muzemba, confirmaram na quarta-feira à Lusa que vários grupos preparam uma manifestação em Luanda para dia 25 de setembro.

 

Ambos salientaram que vão apoiar todos aqueles que decidirem sair pacificamente à rua, mas quiseram deixar claro que os seus respetivos partidos não estão a organizar ou a promover a iniciativa de protesto, tal como não o fizeram nas outras manifestações.

 

"No domingo vamos apoiar aqueles que decidirem manifestar-se, agora mais do que nunca, para afirmar o direito à manifestação", explicou Nelson Pestana, salientando que se militantes do Bloco participarem na iniciativa o farão "por livre vontade".

 

Já o líder juvenil da UNITA adiantou que nesse dia estará "fora de Luanda" e que não poderá participar na manifestação. Muzemba saudou, contudo, a nova iniciativa que está a ser organizada por "uma juventude que exige mudança e que já perdeu o medo de um Estado prepotente e do autoritarismo político".

 

De acordo com Muzemba, a juventude angolana está "forte e mobilizada", e assumiu um "posicionamento de contestação social" em favor da mudança. "Entenderam de uma vez por todas que chegou o momento de dizer chega, basta de brincadeiras, dessa má governação", salientou.


Nelson Pestana lembrou que os jovens decidiram adiar a iniciativa de sábado para domingo por causa da "provocação" que o primeiro secretário do Comité Provincial de Luanda do MPLA dirigiu aos manifestantes, e após Bento Bento ter convocado uma marcha de apoio ao MPLA para o mesmo local em que inicialmente estava previsto o protesto dos jovens.


"Tratou-se de uma mudança estratégica para evitar qualquer tipo de confronto", confirmou o estudante Carlos Silva, adiantando que no domingo os jovens também "vão seguir um código de conduta para evitar qualquer tipo de confusão com provocadores ou elementos à paisana".


No dia 03 de setembro, mais de duas dezenas de jovens foram detidos durante uma manifestação contra o Presidente angolano, José Eduardo dos Santos. Dos 21 que foram julgados, 18 foram condenados a penas entre os 45 e os 90 dias de prisão efetiva.

 

Outros 27 jovens que haviam sido detidos no dia 08 quando apoiavam os que estavam a ser julgados foram todos absolvidos. Entre eles, estava Mfuka Muzemba.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: