Benguela – A Polícia Nacional prendeu na manha desta segunda feira (26) em Benguela, cerca de 20 pessoas por alegadamente fazerem parte de uma manifestação espontânea, que visou exigir das autoridades o comprimento de promessas de aquisição terreno e  por fim,  ao processo de desalojamento em curso do bairro 4 d e Abril. Os  detidos  deverão enfrentar julgamento sumário dentro de dias.


Fonte: Club-k.net

Comandante alega  que estão ao serviços de forças ocultas

Os populares, num numero estimado em 300, concentraram-se, a frente da sede da administração municipal entoando dizeres de exigência as autoridades tendo tentado invadir a sede do Governo local. Em reação, de acordo com uma testemunha ao local  “Foram cenas  chocante, muitas  senhoras com bébés a serem  atiradas  em cima da carrinha da policia  como se mercadoria se tratasse, foi mesmo um  acto de cobardia usar tanta violência para pessoas indefesas”, contou  a fonte acrescentando que “neste momento as senhoras e outros jovens estimados em mas de vinte encontram-se encarcerado numas das esquadras da policia da cidade Benguela”.

 

“Estiveram presente pouco mais de 300 pessoas mas  o agravante é que  foram detidas pessoas que  estavam  de passagem  e  a assistirem a manifestação”, revelou.


Segundo, Jesse Lufendo, activista da OMUNGA, no  facebook, “Os populares que tentaram  ocupar terra para construção de habitações  agastados com a espera de um responsável da Administração para dar explicações da legalização das terras, ou se podem deixar e indicarem outro espaço, já que a Administração de liderada por Manuel Lucombo não vem, os populares resolveram ir ter com a Administração, 2 horas de espera já que ninguém diz nada, começaram a gritar queremos terreno”.

 

“O Populares prometem manifestar mais amanha dia 27 caso não libertem os seus companheiros e companheiras.” Revelou o activista.

 


Esta é a segunda manifestação em menos de duas semanas. Tudo aconteceu quando  individuo ligados administração  municipal de Benguela a anunciaram a entrega de terrenos. Para o  efeito   pessoas se alistaram e receberam cada uma um tão de 25por25. Passados dois dias surgiram  individuo afectos aos fiscais do governo que desalojaram as pessoas a pretexto de estarem ali  ilegalmente uma vez que aquele espaço era uma reserva fundiária do Estado. Inconformados,  os populares se dirigiram a  administração para  exigirem um esclarecimento do administrador Municipal   José  Manuel Lukumbo.

 

Na primeira manifestação,  a  administração  municipal fez recurso a polícia nacional para  abortar a iniciativa tendo mesmo detido na altura cerca de 10 populares que  foram soltos dois depois. A de segunda feira (26),  os motivos foram os mesmo tendo a  reação popular sido  três vezes mas violenta.

 

Falando a imprensa, no local, o comandante municipal da policia em Benguela, Intendente Isaac Wango chamou os manifestantes de arruaceiros e  de estarem ao serviço de forças ocultas.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: