Lisboa -  Manuel Vicente, em vias de ser reconduzido para novo mandato como PCA da Sonangol (AM 609), está a efectuar diligências com vista à constituição do novo CA. Entre as informações, escassas, que em meios habilitados circulam sobre o assunto, é considerada fiável a integração no novo CA de José Pedro Benje, até agora director de gabinete de M Vicente (também vogal da Comissão Executiva da Sonangol Holdings).

 

Fonte: africamonitor.net

 

Mateus Brito e Fernando Roberto, dois dos actuais administradores, não deverão transitar para o novo CA. Admite-se, porém, que M Vicente poderá vir a ser persuadido a manter M Brito (um dos raros gestores de topo da Sonangol formado em engenharia de petróleos; os outros são economistas ou de direito), como forma de compensar a continuação de Batista Sumbe como administrador e presidente da Comissão Executiva da Sonangol Holdings.

 

B Sumbe é um quadro da sua confiança pessoal (AM 602), mas que não goza de simpatias da parte do PR e no próprio partido. M Brito tem igualmente a seu favor as suas estreitas ligações a Isabel dos Santos, cuja actividade empresarial acompanhou durante algum tempo.

 

A saída de F Roberto é vista como mais plausível devido ao seu apagado exercício do cargo, mas sobretudo a um episódio que consistiu em M Vicente chamar a si, em condições de emergência, o controlo da Sonangol Distribuidora, cuja presidência lhe estava confiada.

 

O até agora director de gabinete de M Vicente, J P Benje, já passava, na prática, embora não formalmente, por administrador da companhia – sendo como tal tratado. Sua esposa, Hermenegilda Benje, é vogal do CA do Millenium Angola, nomeada pela Sonangol na quota da sua participação accionista. Antes esteve na Sonangol Asia Ltd , sediada em Singapura.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: