Sumbe – Pouco antes da passagem de mais um ano, a direcção e os funcionários da Rádio Kwanza Sul, pertencente ao grupo da Rádio Nacional de Angola (RNA), se encontram de costas viradas por motivos de várias ordens. Um ambiente, segundo comparou a nossa fonte, feito um barril de pólvora.


Fonte: Club-k.net

Este portal soube que o actual director da Rádio Kwanza Sul (RKS), Nelson Luís, é acusado – nos bastidores – de estar a desviar altas somas de fundos de maneios atribuída pelo grupo RNA. “Como prova, a direcção administrativa da RKS deixou facultar a ajuda de custo aos jornalistas que se deslocam em missão de serviço”, revelou a nossa fonte, acrescentando que “das raras vezes que dão o tal subsídio, o valor não passa de dois a quatro mil kwanzas”.


Os contestatários atribuíram nota zero ao acusado pela péssima gestão que tem vindo a implementar. “A sua incompetência já atingiu o cúmulo. Ele é um péssimo gestor”, asseguro a fonte, confessando que o imaginário. “Não foram poucas vezes que a RKS ficou sem emissão por falta de combustível para o gerador. A par isso, existem problemas que Nelson Luís tem se mostrando, realmente, incompetente de seleccionar”.

 

Nelson Luís colocou a sua mulher como jornalista, quando na verdade ela não passa de secretária


A nossa fonte exemplificou o caso de três jovens – Sérgio Rodrigues, Francisco Patrício e Gonçalves Januário – que estagiam naquela emissora a caminho de dois anos, sem receberem qualquer renumeração. “ É realmente triste. Pois estes jovens ainda não sabem o que o futuro lhes reserva”, lamentou, revelando ainda que a um tempo esta parte, o acusado colocou a sua mulher como jornalista, quando na verdade ela não passa de secretária da redacção.
  

Ainda para agravação do péssimo ambiente de trabalho que se vive naquela casa, Nelson Luís deixou, arrogantemente, de passar – nos últimos tempos – Guias Medicas e Declaração de Serviço aos trabalhadores, sem qualquer justificação. A situação esta que obrigou um grupo de funcionário enfurecido a enviar um abaixo-assinado à direcção da RNA, solicitando urgentemente a intervenção do quem de direito.  


Por outro lado, este portal soube ainda que a relação entre o director da RKS (agora empossado como administrador do município de Sumbe) e o chefe de produção, Guilherme Wandalica, não tem sido das melhores. A quem comenta que a afinidade entre os dois responsáveis é tão azeda, que deixaram de se cumprimentar, mesmo nos corredores daquele empresa, feito Tom & Jerry. 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: