Luanda - O Executivo angolano está a empreender um “grande esforço” para superar algumas dificuldades resultantes da exposição da economia a choques externos, agravada pelas consequências da pandemia da COVID-19 que afectou seriamente as condições de vida da população, afirmou esta segunda-feira, em Luanda, o Presidente da República, João Lourenço.

Fonte: Angop

“Acreditamos no sucesso das medidas adoptadas pelo Governo”, disse o Estadista angolano, ao discursar na cerimónia de abertura das conversações oficiais entre delegações ministeriais de Angola e Cuba, no quadro da visita de Estado de três dias que o Presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, efectua a Angola.



Para o Presidente João Lourenço, Angola e Cuba têm preocupações comuns que se prendem com o combate à pobreza e pelo desenvolvimento económico e social. “Acredito que esta convergência de objectivos nos coloca numa posição privilegiada para nos percebermos um ao outro e pensarmos em estratégias comuns que nos ajudem a vencer conjuntamente todos os desafios ligados às questões do desenvolvimento, do progresso e do bem-estar das nossas populações, a que os nossos governos fazem face diariamente”, exprimiu.



Na óptica de João Lourenço, é importante pensar em mecanismos práticos que facilitem o intercâmbio entre ambos os países a todos os níveis, com realce para o livre comércio, a complementaridade no uso dos recursos disponíveis, transferência de conhecimento técnico, tecnológico e científico e a priorização em termos de implementação de projectos de industrialização das nações, assentes na utilização sustentável das matérias-primas e outros recursos disponíveis.



Na sua intervenção, o chefe de Estado angolano reconheceu a luta que Cuba trava diariamente face ao embargo a que está sujeito há décadas, "mas, que apesar disso, tem revelado um impressionante nível de resiliência e de capacidade para encontrar soluções que garantam a sobrevivência do povo cubano e a preservação da independência".