Luanda - Recentemente, tenho estado a ler sobre as trágicas mortes precoces de duas celebridades: Biggie Smalls e Tupac Shakur, ambos mortos a tiro em 1997 e 1996 respectivamente.

Fonte: Club-k.net

O meu foco foi atraído para as numerosas mulheres que afirmam ter tido ligações românticas com eles, argumentando que essas conexões, percebidas como significativas, foram injustamente omitidas das biografias das estrelas.

 

Agora na casa dos cinquenta, casadas e com filhos, e algumas já avós, essas mulheres ainda consideram os seus breves encontros com as estrelas como cruciais, ofuscando os eventos posteriores das suas vidas. É desanimador observar a sua busca incessante por reconhecimento por essas conexões fugazes.

 

Por outro lado, alguns homens também se vangloriam de terem tido casos com mulheres famosas, ressentindo a falta de reconhecimento pelas suas alegadas relações com celebridades femininas influentes, muitas das quais são multimilionárias. Esses homens, ávidos por reconhecimento, partilham fotos e mensagens privadas como prova das suas ligações.

 

Esta busca de reconhecimento é intrigante. Os homens afirmam o seu passado com certas celebridades, sentindo-se desprezados quando são ignorados. As mulheres, no entanto, muitas vezes consideram esses homens insignificantes, rotulando-os de delirantes e subestimando a importância de qualquer conexão que possam ter tido. Esse desprezo deixa alguns homens profundamente amargos e desanimados.

 

Enquanto algumas pessoas consideram relações passadas como detalhes menores em vidas repletas de realizações, outras obsessam sobre elas. Por exemplo, uma das ex-namoradas de Tupac, uma vez casada com ele e agora vivendo com sucesso longe dos holofotes, evita falar sobre o passado deles, pois avançou para experienciar eventos de vida significativos.

 

No mundo do poder, riqueza e fama, onde esses elementos frequentemente se entrelaçam, indivíduos com inseguranças sociais são inevitavelmente atraídos. Essa atração explica a existência de groupies, desejando associação com superestrelas, mesmo que seja passageira.

 

Ao analisar as vidas de Shakur e Smalls, é evidente que algumas mulheres acreditavam numa conexão mais profunda que, na realidade, poderia ter sido trivial para as estrelas. Essas celebridades muitas vezes tratam os seus amantes como troféus, simbolizando a sua atratividade e competitividade, independentemente da idade - uma prática que não é exclusiva dos homens.

 

A sociedade há muito tempo aceita homens mais velhos ostentando parceiras mais jovens. Exemplos como Denzel Washington, casado há décadas com uma mulher mais velha, e os Macrons, com a sua significativa diferença de idade, desafiam as normas sociais, despertando intriga pública.

 

Da mesma forma, algumas mulheres abastadas agora se envolvem com amantes mais jovens num jogo de validação, com os homens usando essas relações para elevar a sua autoestima. Para esses homens, serem escolhidos por mulheres poderosas indica a sua singularidade, levando a uma forma de narcisismo.

 

No passado, a discrição era esperada em tais relacionamentos. No entanto, hoje, alguns homens ostentam abertamente as suas ligações com mulheres poderosas para mostrar a sua suposta singularidade e atratividade.

 

Em última análise, a validação social deve ser baseada em realizações pessoais, em vez de associações. Historicamente, as mulheres foram avaliadas com base em atributos físicos que implicam fertilidade, enquanto os homens buscavam estabelecer um legado, refletindo o seu potencial e influência.

 

Em alguns momentos, mulheres mais velhas e ricas, inseguras em relação ao envelhecimento, envolvem-se com homens mais jovens para afirmar a sua atratividade duradoura. Arthur Miller, um celebrado dramaturgo, considerava o seu casamento com a encantadora Marilyn Monroe como um mero detalhe na sua vida ilustre, sublinhando a importância do valor individual sobre as afiliações relacionais.