Luanda - O presidente do Tribunal Supremo (TS) e do Conselho Superior da Magistratura Judicial (CSMJ), Joel Leonardo, participou, recentemente, na “24ª Conferência Internacional dos Chefes de Justiça do Mundo”, realizada em Lucknow, capital do estado de Utar Pradexe, na Índia.

Fonte: Club-k.net

Ao usar da palavra no certame, Joel Leonardo destacou que Angola tem potenciado o desenvolvimento sustentável, igualdade de tratamento, estabilidade da paz social e a garantia de mais Justiça. Mas, por amor da santa!


A afirmação de Joel Leonardo é, convenhamos, digna de uma comédia hilária. Ela mexe com os neurônios de todos aqueles que sabem que Joel Leonardo é suspeito de ter praticado diversos crimes. Mas mesmo assim continua de pedra e cal nos postos que, de algum tempo a esta parte, ocupa ilegitimamente.


Joel Leonardo é intocável. Ele conta ilimitadamente, nas práticas dos seus crimes, com o alto patrocínio, concurso e cobertura da Presidência da República.


O “mundo angolano” e as chancelarias acreditadas em Luanda sabem que Joel Leonardo é ( por várias razões e factos conhecidos, ampla e recorrentemente denunciados) dos juízes mais contestados da História dos tribunais superiores angolanos. Lidera o “top dos magistrados mais detestados” e representa a face da impunidade na Angola de João Lourenço.


Joel Leonardo tem o seu nome mais sujo que pau de galinheiro. Todo mundo sabe. Incluindo o Presidente da República. O que não se sabe é com que cara é que o mesmo participou num certame internacional em que anunciou estarem criadas as condições para criação de um Tribunal Internacional Anti-Corrupção com vista a boa governação em Angola.


Já sei. Fê-lo com a mesma cara de pau com que intimida os seus pares do Conselho Superior da Magistratura Judicial quando invoca as relações privilegiadas que tem com a Presidência da República.


É preciso ter muita lata e falta de vergonha para representar uma instituição onde todo mundo o quer ver pelas costas. Joel Leonardo perdeu a legitimidade de se manter à frente das instituições que dirige.


A manutenção de um alegado criminoso como Joel Leonardo nos cargos de presidente do TS e do CSMJ belisca sobremaneira a imagem da Justiça angolana - cuja credibilidade há muito anda pelas ruas da amargura - e confirma o motejo e o gracejo em que se transformou uma das principais bandeiras da governação do Presidente da República: o combate a corrupção!