Huambo - Tão logo que a mídia nacional divulgou a informação segunda a qual o Presidente João Lourenço será recebido na Sala Oval da Casa Branca pelo seu homólogo Joe Biden, Presidente dos Estados Unidos da América, surgiram imagens do então líder fundador do maior partido político da oposição para confundir a opinião pública como que se em nenhum momento ou em poucos ou então será pela primeira vez que um Presidente angolano, pelo sinal líder do MPLA, será recebido por um Presidente da Federação Norte Americana.

Fonte: Club-k.net

Nós que também temos memória, ou seja não temos memória curta e não nos esquecemos da história de Angola, propriamente das relações bilaterais entre os Estados Unidos da América e a República de Angola, sabemos que formalmente às relações entre os dois países, tiveram início em 1993, propriamente no dia 19 de Maio do mesmo ano pela Administração Clinton.

 

Todavia, como o objectivo aqui e por agora não tem que ver com a narrativa histórica mas com o repor das vezes que um cidadão angolano é recebido ou mesmo por quantas vezes um líder partidário e/ou Presidente da República de Angola foi recebido ao contrário da ilusão que se pretendeu passar.

 

Importa esclarecer aos nossos concidadãos que o Presidente José Eduardo dos Santos, adiante designado por JES, foi recebido na Casa Branca, concretamente na sala Oval [até onde as nossas investigações chegaram] quatro (4) vezes, pelo Presidente George Bush (Pai) aos 16 de Setembro de 1991, antes da realização das primeiras eleições gerais: legislativas e presidências em Angola, três (3) meses depois dos Acordos de Bicesse a 31 de Maio do mesmo ano; depois a convite do Presidente Bill Clinton, JES voltou a ser recebido de 7 - 9 de Dezembro de 1995; de 25 - 26 de Fevereiro de 2002 pelo Presidente George Bush (Filho), três dias depois da morte de Jonas Savimbi a 22 do mesmo mês e ano; concomitantemente de 11 - 14 de Maio de 2004.

 

Isso se incluirmos o encontro entre o Presidente Bill Clinton e JES no dia 19 de Maio de 1993, que deu início das relações bilaterais entre os Estados Unidos da América e a República de Angola, perceber-se-á naturalmente que para além de JES ter sido recebido na Sala Oval da Casa Branca, lá já esteve em outras ocasiões também.

 

Portanto como se tem dito: "a história não se apaga, recorda-se", nesta senda, o Presidente JES foi recebido no período de 1991 - 2004 no geral, uma vez por George Bush (Pai), duas vezes por Bill Clinton e duas vezes por George Bush (Filho).

 

Passados 19 anos desde 2004 que um Presidente da República de Angola foi recebido, pela sexta (6) vez no cômputo geral e pela quinta (5) vez na Sala Oval, o Presente João Lourenço, adiante designado por JL, vai ser recebido em privado ao contrário das vozes que se levantaram e o desacreditaram por este ter estado recentemente na Casa Branca, aquando da sua participação no encontro multilateral dos EUA e África mas sem ter sido recebido por Joe Biden, não será pela primeira vez que JL vai à Casa Branca no dia 30 do mês e ano em curso, porém, admitimos que será a primeira vez que o receberão na Sala Oval.

 

Ora bem, o PR JL voltará para a Casa Branca em grande, manterá um encontro privado com o Presidente Joe Biden no quadro da negociação directa entre dois detentores do poder político ou dois Estadistas, o que às relações internacionais entenderam por chamar relações bilaterais e a política externa dos Estados, negociação directa.

 

Com excepção do Presente António Agostinho Neto, por razões óbvias, a República de Angola [e o MPLA em particular] fica(m) marcada(os) nos anais da história das relações internacionais por ter(m) dois Presidentes recebidos pela superpotência mundial, o que abre as portas para que tal processo caminhe efectivamente para o aprofundamento das relações entre ambos os Estados.

 

Outrossim, segundo o que a história nos reserva, talvez se não fosse a morte, o Presidente Agostinho Neto, provavelmente já teria sido recebido na altura pelo Presidente Gerald Ford após a proclamação da independência de Angola.

 

Inquestionavelmente, a recepção de um Estadista de qualquer Nação por um Presidente Norte Americano, é deverás relevante e impactante, prestigia o Presidente recebido, assim como o seu país também, melhora as relações comerciais, económicas e sociais de acordo ao princípio da reciprocidade de vantagens, a contar com as avaliações que antecedem a recepção, que muito tem que ver com a governação local e com os interesses em jogo.

 

De lembrar que o Presidente Donald Trump havia reconhecido a coragem e a determinação do Governo angolano pelas reformas em curso, no quesito boa governação, transparência na gestão da coisa pública, assim como no combate a corrupção, dando sinais mais do que evidentes da possível pretenção de um encontro com o Presidente JL caso vencesse as eleições que o levaria ao segundo mandato.