Luanda - Há uma espécie de campanha psicológica  e de reavivamento de esperanças  junto de familiares  e dum modo geral também da sociedade.

*A. Neto
Fonte: Club-k.net

Informações desencontradas

Desde quarta-feira que certa imprensa transmite mensagens relacionadas com  movimentações desenvolvidas pela  polícia nacional que apontam para a localização e soltura dos raptados.


A mesma imprensa que anunciou ao princípio da noite daquele dia que estava informada  sobre a localização de Alves Kamulingui e Isaías Kassule algures numa das unidades, pôs a circular mais tarde uma outra dando conta que eles, os desaparecidos, estavam a ser transferidos para uma conhecida unidade de polícia no município do Cazenga, na zona do IFA.

Ontem aventou-se a possibilidade da polícia vir a  realizar uma conferencia de imprensa. Disse-se inclusive que teria havido orientações do ministro do interior neste sentido, o que não aconteceu.


Apesar destas informações que foram postas a circular, envolvendo inclusive o nome da  comandante de Luanda da polícia, conhecida comandante Betty,  nenhum dos familiares foi  oficialmente notificado.


Observadores em Luanda estão a atribuir a campanha, a tentativa de “descompressão” do ambiente por parte do governo, face as reacções que tem suscitado o desaparecimento dos manifestantes.


Com este exercício, sustentam as nossas fontes, talvez as autoridades procurem assegurar a sociedade que eles estão vivos, enquanto ensaiam vias para trazê-los á liberdade, conscientes do prejuízo a imagem da corporação policial, bem como o reforço de suspeições das suas  ligações com as milícias que nos últimos tempos protagonizam violência e raptos.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: