Ndalatando – O Governo Provincial do Kwanza Norte (GPKN) proibiu a manifestação convocada para este sábado (09), pelos professores filiados no Sindicato Nacional dos Professores (SINPROF).


Fonte: Club-k.net

A proibição foi expressa numa reunião pelo vice-governador para a esfera política e social, José Alberto Kipunpo, na última quarta-feira (06). “Se vão realizar a manifestação vão ver…”, ameaçou o governante acrescentando “quem manda na educação é quem esta a governar, por isso o professor tem que cumprir…”


A reunião que perdurou mais de quatro horas, teve lugar na sala de sessões do GPKN, congregou vários membros do executivo local, funcionários seniores da Direcção Provincial da Educação e os representantes do SINPROF local.


Dentre as questões a reivindicar, constam vários incumprimentos por parte do patronato e as más condições em que trabalham os agentes do giz na região. “Infelizmente vivemos num país onde a democracia está apenas escrito no papel onde as pessoas não conseguem discutir os seus direitos como deveria ser”, balbuciou um dos professores.


Eis a íntegra do documento do Secretariado Provincial do SINPROF do Kwanza Norte enviado GPKN:


Ao
Exmo. Senhor Governador
Provincial do Kwanza Norte


C/C:
Secretariado Nacional
Direcção Provincial da Educação, Ciências e Tecnologia

ASSUNTO: Realização de Manifestação Pacífica de Professores

Melhores Cumprimentos.

O Secretariado Provincial do SINPROF, ao abrigo do artigo 47º no nº 1 e 2 da Constituição de Angolana e da Lei sobre o direito de Reunião e Manifestação, Lei de 16/91 de 11 de Março, vem por este meio comunicar o seguinte:

Os Professores a nível da Província do Kwanza Norte, realizarão uma manifestação pacífica sábado com trabalhadores da educação, isto é, no dia 2 de Junho (Sábado) pelas 9 horas, de acordo com as conclusões saídas da última Assembleia de Professores realizada dia 17 de Março do presente ano pelo Secretariado Provincial, no quintal do Seminário Médio Diocesano, na presença dos Secretários Provinciais de Luanda e Malange e do Bengo que devido aos problemas da via, chegara ao fim daquele inesquecível acto.

FUNDAMENTOS DA MANIFESTAÇÃO

1. Os descontos de salários e nunca aumento;
2. O não pagamento dos Salários de Março, Abril, Maio, Junho, Julho, Agosto, Setembro…de 2011;
3. O não pagamento de subsídios de colaboração no Cazengo e Cambambe, referentes à 2010 ou mais;
4. O não pagamento de Retroativos dos Professores que no esquecimento propositado, estavam desativados do sistema financeiro misteriosamente;
5. O não enquadramento dos funcionários na Segurança Social;
6. O incumprimento na implementação do novo estatuto da Carreira Docente não Universitária;
7. O abuso de poder de Chefes de Repartições e Directores autoritários;
8. O desrespeito no trato com os funcionários que demonstram trabalhos, caso claro: A então chefe de Repartição Municipal da Educaçao de Cazengo despojada sem maneiras;
9. Os desrespeitos ao docente: funcionário público e não privado;
10. As péssimas condições das escolas e salas, em que trabalham centenas de heroicos professores da província a título de exemplo: os alunos que estudam por baixo de árvores no Lucala, escolas do bairro Kibuangoma, 333 A e ENCODIPA ambas no bairro Posse, escolas do Bairro Ndalatando e Boa vistam, Bairro Azul, 2 A, 29 no Bairro 11 de Novembro, 333 na Kipata e o estado avançado de degradação da escola nº 20 no centro da cidade… a falta de quadros, Manuais, giz e até programas já que não sonhamos Bibliotecas e nem laboratórios; A ausência de dignas condições nos locais que alojam professores e estagiários nos Municípios.


ROTEIRO DA MANIFESTAÇÃO

A manifestação percorrerá as seguintes artérias: Partindo da escola do bairro Ndalatando, descendo a estrada direita Luanda Malanje à escola da Kipata entrando pela rua da Comarca, descendo pelo Bairro Popular, passando pela ponte da União casa, descrevendo a rua da ANGOP até ao bairro Camundai, regressando, passará a rua da Rádio Kwanza Norte, descendo a rua dos Indíos passando pela traseira do edifício sede do Governo Provincial local, frente ao cine Ndalatando, mercado municipal, Escola Missionaria, IMNE, seguindo a rotunda da escola do Catome de Baixo e com o termino no largo das escolas.


Na esperança de solidificarmos a nossa parceria, cumprimento laborais.

SINPROF MAIS PERTO DO PROFESSOR E COM ELE, NA DEFESA DE SEUS DIREITOS INALIENÁVEIS.

N’Dalatando, 24 de Maio de 2012



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: