Luanda - A caravana da UNITA partiu hoje de Dundo em direcção a Malange. Pelo meio, nova paragem em Saurimo. A recepção ao Presidente Samakuva foi ainda mais efusiva do que a do dia anterior. A população que se juntou à caravana era tanta que o Presidente Samakuva improvisou um comício numa praça repleta de cidadãos ansiosos por ouvir uma mensagem de esperança.


Fonte: UNITA


Durante a sua intervenção, e depois de apresentar as 7 prioridades do Governo da Mudança, o Presidente Samakuva assumiu o compromisso de trabalhar para devolver aos Angolanos um ensino de qualidade.


Após a vitória nas Eleições Gerais do dia 31 de Agosto, a UNITA vai levar a cabo uma reforma do ensino que coloque os estudantes no centro das decisões dando mais relevância à qualidade do ensino e dos alunos que formamos do que à estatística dos números registados.


O Governo da UNITA vai lutar para reduzir o analfabetismo no país; vai implementar um ensino obrigatório e gratuito para todos os jovens até ao ensino médio e vai promover um ensino profissionalizante adequado às necessidades do País. O Governo trabalhará com entidades bancárias competentes para que ao estudante do Ensino Superior seja possível disponibilizar um crédito bancário que deverá ser pago por amortização, a partir do fim do seu curso, quando for inserido no mercado de trabalho.


De modo a conseguir cumprir todos estes objectivos, o Governo da UNITA vai atribuir verbas crescentes à Educação, no montante total de pelo menos 19 por cento do Orçamento Geral do Estado.


A actividade da caravana termina hoje em Malanje onde a comitiva recuperará forças para voltar à estrada bem cedo no dia de amanhã.

 

DIÁRIO DE CAMPANHA – 11 DE AGOSTO


A caravana da UNITA iniciou o dia de hoje em Malanje. Na capital de província, o Presidente Samakuva reuniu com membros da comunicação social para fazer um balanço da semana em que a caravana da UNITA percorreu mais de 5000Km pelo nordeste do país.


O Presidente Samakuva afirmou que a caravana foi “às áreas mais recônditas onde os governantes nunca chegaram. Conversámos com as populações, que nos receberem de forma eufórica, com as autoridades tradicionais e com anciões sobre o sofrimento do povo angolano e o desejo de ver dias melhores.”


“Transmitimos a nossa mensagem que é constituída por um programa que vai de encontro as aspirações do nosso povo. O povo revê-se no que estamos a dizer pelo que estamos satisfeitos com a receptividade que temos registado.”


“Durante a nossa viagem apurámos também várias irregularidades no processo eleitoral e constatámos que os angolanos têm sido intimidados com histórias de guerra e perturbação da paz.”


“Aproveitámos para desmentir categoricamente essas histórias de guerra e de intimidação. Para a UNITA as eleições são a festa do povo e apelámos em todos os locais e a todos os cidadãos para terem tranquilidade e preservar a paz.”


“O povo manifestou-nos o seu desagrado e apreensão pelo facto de o partido no poder estar a fazer mais promessas em vez de justificar todas as que não cumpriu anteriormente.”
“Voltamos a Lunda bastante satisfeitos e com esperança que o povo materialize as nossas conversas e no dia 31 de Agosto vote na UNITA.”


Questionado sobre as medidas em concreto que o programa da UNITA reserva para a região do nordeste, o Presidente Samakuva relembrou que “esta é uma zona rica em diamantes mas onde o povo vive na pobreza e na miséria. A UNITA defende que as populações devem ser compensadas pela exploração das suas terras. Com o Governo da Mudança, as empresas que fazem a exploração do diamante devem ter responsabilidades sociais porque o povo sofre e está na miséria. Devem ser construídas escolas, clínicas, estradas e providenciada a rede energética e de água.”


Questionado sobre a continuidade dos programas de construção em curso, o Presidente Samakuva reafirmou que “o Governo da Mudança vai respeitar a construção e os construtores e continuar com o que está a ser bem feito. A UNITA vai apoiar e consolidar os programas que beneficiam o povo, continuar o que está bem e rectificar o que esta mal e que não se ajusta as necessidades do povo.”


Sobre as obras feitas na região, o Presidente Samakuva afirmou que “infelizmente o que foi feito foi com interesses eleitoralistas. As estradas construídas há 3 anos já estão cheias de buracos e sem asfalto. Não houve continuidade nem manutenção. O dinheiro foi gasto para agarrar o voto em vez de beneficiar o povo.”


Sobre o recente comunicado da CNE sobre o código de conduta eleitoral, o Presidente Samakuva salientou que “apesar de reconhecer capacidade à CNE, houve interferências do executivo e do partido do governo”, relembrando que “o comunicado só surgiu após a conferência de imprensa do MPLA”. O Presidente Samakuva confessou que gostaria de acredita na CNE mas para que isso aconteça a CNE deve “cumprir e fazer cumprir a lei.” “Não são os partidos que zelam pelo cumprimento da lei que desacreditam a CNE. Ao violar a lei é a própria CNE que se desacredita, não perante os partidos, perante o povo.”


“Há varias irregularidades que deviam ser corrigidas e o MPLA devia preocupar-se mais em manter o processo transparente e de acordo com a lei que foi aprovada do que com manifestações e arruaças.”


O Presidente Samakuva terminou reafirmando estar “muito satisfeito porque o povo escutou-nos com muita atenção e disse que esta de acordo com a nossa mensagem. O povo tem esperança e acredita que o nosso programa é o que mais responde as suas necessidades.”

Da parte da tarde, e em direcção a Luanda, a caravana vai parar uma vez mais em N'dalatando para saudar a população e reafirmar o compromisso de mudar Angola.


BALANÇO DE CAMPANHA – 12 DE AGOSTO


Decorridos 13 dias desde o início oficial da campanha eleitoral, o Deputado Demostenes Chilingutila, que tem participado activamente na campanha da UNITA e acompanhado o Presidente Samakuva nas suas actividades, faz um balanço do percurso já percorrido e perspectiva os 19 dias de campanha que restam até às eleições do dia 31 de Agosto.

 

“As Eleições Gerais do próximo dia 31 de Agosto representam o momento mais importante dos últimos tempos para o povo angolano. Estas eleições são uma oportunidade única para concretizar a mudança que a UNITA preconiza e que o Povo Angolano anseia.


Apesar de a campanha eleitoral se ter iniciado oficialmente no dia 31 de Julho, a verdade é que a UNITA tem vindo a trabalhar desde há muito tempo para responder às necessidades dos angolanos.


Contudo, nestes últimos 13 dias contactámos de forma mais intensa com cidadãos de várias zonas do país. Percorremos as províncias de Luanda, Kwanza-Norte, Malanje, Lunda-Norte e Lunda-Sul e fomos recebidos por milhares de angolanos que aguardam a chegada de um futuro melhor. Sentimos que a população está connosco e que quer contribuir para o nosso projecto.
As multidões que se juntaram diariamente são um prenúncio de que o país, que não está bem, quer mudar de rumo.


Nestas províncias pudemos constatar, uma vez mais, que o Povo Angolano vive na miséria. Fomos onde os governantes não se dignam a ir. Convivemos como governaremos, de igual para igual com o Povo.


Apesar das riquezas naturais que a terra nos oferece, a Angola real, a Angola da maior parte dos angolanos, é carente. Fome, pobreza e falta de acesso a água, electricidade, cuidados de saúde e habitação digna devastam a vida dos Angolanos.


A UNITA tem consciência das dificuldades que os angolanos enfrentam. Os problemas nas áreas do Emprego, Habitação, Saúde, Educação e Segurança Social estão na origem da pobreza do Povo Angolano e, como tal, o Governo da UNITA vai implementar cinco Programas de Emergência Nacional nestas áreas que merecerão prioridade absoluta.


Estas são às áreas que mais angustiam os angolanos e sobre as quais o Presidente Samakuva tem centrado a sua mensagem. Uma mensagem de Esperança. Uma mensagem voltada para o futuro. Uma mensagem positiva que salienta a importância da Democracia, da Transparência e da Paz.
Estes são os valores que defendemos e que queremos ver reflectidos no processo eleitoral. Temos dito que as eleições são a festa do Povo e esperamos, tal como o povo, que os órgãos responsáveis pela administração eleitoral cumpram o seu papel e a lei para que a festa do Povo se cumpra de forma digna e exemplar.


Vamos trabalhar nesse sentido com a responsabilidade de quem quer governar Angola. A nossa causa é o Povo Angolano e até ao dia 31 vamos percorrer outras províncias para que todos possam ter conhecimento do projecto que a UNITA tem para Angola.


Contamos com todos os Angolanos. Unidos pela Mudança seremos capazes de oferecer um futuro melhor para todos.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: