Luanda – José Eduardo dos Santos foi proclamado na última sexta-feira, 07,  em Luanda, como Presidente-eleito de Angola nas eleições gerais de 31 de agosto, numa declaração lida pelo presidente da Comissão Nacional Eleitoral (CNE), André da Silva Neto. O mesmo anunciou ainda que o MPLA, que dirige os destinos do país desde a independência, em 1975, foi a formação política mais votada, elegendo 175 dos 220 deputados da Assembleia Nacional angolana.

Fonte: Lusa

O segundo partido mais votado foi a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), que elegeu 32 deputados, seguindo-se a Convergência Ampla de Salvação de Angola-Coligação Eleitoral (CASA-CE), com oito deputados, o Partido da Renovação Social, com três, e a Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA), com os restantes dois. Dos 9.757.671 eleitores inscritos foram registados 6.124.669 votantes, pelo que a abstenção no escrutínio foi de 37,23 por cento, cerca de três vezes superior à das eleições legislativas de 2008.

Na declaração que fez antes da leitura dos resultados finais provisórios, André da Silva Neto destacou o que classificou como "desfecho exitoso" do processo eleitoral e salientou os "avanços técnicos e organizativos alcançados" em comparação com os dois escrutínios anteriores, em 1992 e 2008.

Reconheceu, todavia, que os "desacertos e imprecisões verificados num ou noutro caso", que considerou "inevitáveis", se justificam pelos "sofisticados e complexos novos métodos introduzidos" face ao período de tempo concedido à CNE para preparar e organizar o ato eleitoral. Os "desacertos e imprecisões" referenciados "impediram que uma respeitável franja" do eleitorado exercesse o direito de votar, acrescentou.

"Contudo, tais discrepâncias em nada beliscaram o processo eleitoral agora concluído e podemos informar convictamente que conseguimos, apesar das inúmeras dificuldades, realizar e concluir um processo transparente, justo, livre, credível e democrático", acentuou.

Para dar força às suas conclusões, André da Silva Neto citou os "rasgados elogios" dos observadores nacionais e internacionais, de especialistas de "reconhecido mérito em processos eleitorais, dos "fazedores de opinião" e de estadistas de vários países e políticos de "craveira nacional e internacional".



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: