Luanda -  Em reação a denuncias que dão   conta da presença de quadros do Serviço de Inteligência e Segurança de Estado (SINSE), na estrutura que trabalhou no apuramento dos partidos políticos junto ao Tribunal Constitucional, o jornalista  Alfredo Salvador Carima  solicitou a partir das redes sociais apuração sobre o assunto  apelando que se faça uma queixa a Procuradoria Geral da República (PGR).


Fonte: Club-k.net

Bloco Democratico já havia levantado o assunto

Para aquele quadro   este é “Mais um exemplo de que o Estado angolano, quanto a mim, é excessivamente permissível e benevolente”. O responsável  interroga-se que pode haver algo de verdade nas denuncias   feitas por isso entende que  “estamos perante elevadíssimos nível de ausência de autoridade de Estado”.


“Eu penso que depois da formação e tomada de posse dos órgãos de Estado e de soberania resultantes das eleições de 31 de Agosto, os cidadãos (parte do Estado) deverão denunciar estes e outros actos irresponsáveis à PGR e esta deverá agir em conformidade. Há que ensinar a determinados seres, que a vida em sociedade tem regras”, disse o também assessor do conselho de Administração da SINFIC, empresa que presta serviços ao  MPLA.


De recordar que por altura do apuramento dos partidos políticos  junto ao TC, para se qualificarem para as eleições de 31 de Agosto, o partido Bloco Democrático  desafiou o  Tribunal Constitucional a  explicar quais foram  os critérios que usou para o recrutamento do grupo de elementos que estavam a trabalhar nas suas estruturas em torno do assunto. 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: