Luanda – A selecção de Alemanha garantiu na terça-feira, 08, a primeira vaga na final do Campeonato do Mundo, após incrível goleada sobre o anfitrião Brasil, por 7-1. Autêntico Maracanazo parte 2, agora no Mineirão, em Belo Horizonte.

Fonte: DN/JD
Brasil.jpg - 46.37 KBA máscara caiu. Diante de milhares adeptos fantasiados de Neymar, a Selecção Brasileira não transformou em realidade a ilusão de que poderia ser bem-sucedida sem o seu principal jogador. Foi humilhada pela Alemanha com uma histórica e eterna derrota por 7-1 no final da noite de ontem, no mesmo Mineirão onde já havia sofrido para superar o Chile nos pênaltis, e está fora da disputa pelo título do seu Campeonato do Mundo. Os golos foram marcados por Muller, Klose (o maior artilheiro dos Mundiais), Kroos (2), Khedira e Schurrle (2). Oscar fez o de honra.

Se queria apagar a derrota para o Uruguai na final do primeiro Campeonato do Mundo realizada no Brasil, há 64 anos, o Brasil conseguiu de forma vexatória. Perdia por 4-0 em 25 minutos de jogo. Num Mineirão que virou Mineirazo, viu os seus adeptos reagirem com um choro que a psicóloga Regina Brandão nem o melhor dos seus colegas seriam capazes de conter. A revolta nas arquibancadas também acabou extravasada com irónicos gritos de "olé", vaias (principalmente para o avançado Fred), insultos e brigas.

A traumática queda diante da Alemanha foi o desfecho de um sonho que o Brasil alimentou muito graças a Neymar, alvo de uma joelhada de Zúñiga na vitória por 2-1 sobre a Colômbia, nos quartos de final, quando fez a sua exibição mais apagada no Mundial. Antes, o atacante havia sido importante nas vitórias por 3-1 contra a Croácia e por 4-1 em cima de Camarões, no empate sem golos com o México e na disputa de pênaltis com os chilenos.

Com a derrota na decisão do Campeonato do Mundo de 2002 muito bem vingada, a Alemanha agora prepara-se para jogar a decisão do Maracanã às 20 horas (de Angola) de domingo, contra o vencedor do confronto entre Holanda e Argentina. Ao Brasil, restará a melancólica disputa de terceiro lugar diante do perdedor da outra semifinal, às 21 (de Angola) de sábado, no Mané Garrincha. Outra vez, sem Neymar.

NEYMAR: Médicos são alvo de queixas

Depois de Neymar ter esclarecido, em nota difundida na página oficial na internet, que está fora de questão o recurso a infiltrações para fintar a fractura da terceira vértebra cervical e jogar pela canarinha ainda neste Mundial, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) também reagiu, em defesa do jogador do Barcelona: os clínicos que publicamente defenderem uma recuperação apressada,  como tal contrária à "boa prática médica", vão ser alvo de queixas no Conselho Federal de Medicina.

A CBF condena as opiniões propagadas na comunicação social, por especialistas que entendem como aceitável o recurso a infiltrações de analgésicos, de forma a permitir a Neymar jogar no que resta do Mundial. A fractura não ia condicionar o futuro do atacante, "desde que a consolidação da mesma se faça no tempo que a boa prática médica requer", sublinha-se no documento difundido perante a "extrema gravidade" do atropelo às mais elementares questões éticas desencadeadas pela ilusão de devolver Neymar à canarinha antes de mês e meio de paragem. José Luiz Runco, o médico da CBF, é o responsável pela convalescença da jovem estrela do Brasil, que se lesionou no triunfo sobre a Colômbia.

Scolari: "Sou eu o responsável pela derrota"

O selecionador brasileiro assumiu a "catástrofe" e não desculpou a goleada com a ausência de Neymar. Luiz Felipe Scolari: "A minha mensagem é para o povo brasileiro e para os adeptos. Fizemos tudo o que podíamos, demos o melhor. Deculpem-nos por este erro. Estamos desolados por não continuar até à final. Mas vamos batalhar pelo terceiro lugar em Brasília e esperemos ter o seu apoio.

Sou eu que fiz a equipa, sou eu o responsável pela derrota. O resultado é catastrófico e talvez no final as responsabilidades sejam partilhadas mas fui eu que decidi a tática e sou eu que assumo a responsabilidade.

Não tenho dívidas, faço o meu trabalho. Fiz o que pensei ser o melhor e o que pensava ser o correto. Sim, podem dizer que foi uma derrota terrível por causa do resultado. Mas não penso que se trate de uma questão de dívida ou crédito. Agora, não esqueçam o jogo de sábado, por favor, queremos ganhar.

É uma catástrofe, estou de acordo. Agora, devo trabalhar para sábado. Sofremos quatro golos em dez minutos, encadeavam-se. Não havia nada que eu pudesse fazer naquele momento. Tivemos um momento de pânico no campo. Esperei o momento oportuno para fazer substituições.

Derrota do Brasil provoca violência por todo o país

Vários autocarros queimados, lojas saqueadas, veículos vandalizados, arrastão na praia de Copacabana. O resultado da seleção brasileira colocou o Brasil em alvoroço. Dezenas de pessoas já foram detidas. Governo reforça segurança

A cidade de São Paulo registou diversos ataques a autocarros no início da noite de terça-feira, mal acabou o jogo entre as seleções do Brasil e da Alemanha, realizado em Belo Horizonte e que acabou com uma humilhante derrota da equipa canarinha (7-1)

Um dos casos de vandalismo mais grave ocorreu numa garagem na zona sul de São Paulo, quando oito autocarros foram incendiados. Alguns adeptos inconformados com o resultado também atearam fogo a veículos em outros dois locais. Segundo relatos da imprensa brasileira no bairro de São Mateus, também na zona leste, uma loja de eletrodomésticos foi saqueada, e um grupo de pessoas fechou uma avenida ao incendiar lixo e móveis.

Em Belo Horizonte, pelo menos cinco pessoas foram detidas. De acordo com informações da polícia, quatro individuos foram detidos por queimarem uma bandeira do Brasil ainda no intervalo da partida, ato considerado crime e um adepto foi preso por desobediência as autoridades. Na Savassi, bairro de Belo Horizonte, ponto de encontro durante o Mundial, alguns adeptos tentaram apedrejar a polícia

As medidas de segurança foram reforçadas sobretudo em Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo, com um aumento significativo do número de agentes de segurança pública.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: