Para Angola trata-se de um grande desafio, sobretudo depois de ter conseguido garantir a CAN vencendo a forte concorrência de países mais ricos como a Nigéria, África do Sul e Egipto.

“Ao fim de apenas seis anos sem guerra, a Taça Africana das Nações é um projecto que vai exigir muito de um país como o nosso”, refere o ministro da Juventude e dos Desportos, Gonçalves Muandumba, que reforça, assim, a importância de Angola ser bem sucedido como anfitrião. “Queremos fazer da CAN mais do que um acontecimento desportivo, uma grande festa, a exemplo do que aconteceu em Portugal no Euro’2004”, sublinha o governante. “É para perdurar na memória”, remata em declarações ao Record durante a sua visita a Portugal

250 milhões de euros

Angola está em franco desenvolvimento em todas as áreas de actividade e a CAN vai ser mais uma mola impulsionadora desse progresso que se traduzirá não apenas na construção de infra-estruturas desportivas, mas também em vias de comunicação, unidades hoteleiras, etc.

Em termos desportivos, o governo angolano tem previsto um investimento na ordem dos 250 milhões de euros (350 milhões de dólares) na construção dos quatro estádios-sede da CAN, de 8 campos de apoio situados nas cidades anfitriãs (dois em cada província) e de outras estruturas.

A criação destes complexos já fez com que alguns países que esperam estar no Campeonato do Mundo da África do Sul tenham procurado recolher informações no sentido de ponderarem a escolha de Angola como etapa de estágio na sua preparação para o Mundial 2010.

32 mil agentes

Embora sem ameaças que em muitos países colocam em risco a segurança de eventos desta grandeza, o governo de Angola já estabeleceu um número de agentes que estará agregado à CAN: 32 mil. Angola vai aliás entrar já em 2009 na agenda noticiosa internacional por outros motivos. Em Março, o Papa Bento XVI desloca-se a Luanda para uma visita de três dias e os angolanos esperam que Sua Santidade abençoe a sua maior organização desportiva da história, depois do Afrobasket em 2007.

Fonte: Record



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: