Lunada - O Comando Provincial de Luanda da Polícia Nacional (PN) apresentou hoje, terça-feira, à imprensa um cidadão acusado de ter abusado sexualmente, sábado, uma paciente (Maria Cateco) internada no Hospital Geral de Luanda, município do Kilamba Kiaxi.


"É tudo mentira. Eu estava apenas a acariciar no peito dela

Em declarações à imprensa, o suposto criminoso, identificado pela PN por Samuel Maiala, de 27 anos, negou a prática do acto, frisando que esteve na referida unidade hospitalar "cerca das 18h30 para visitar a paciente", com quem alegadamente disse manter "uma relação passional de aproximadamente um ano e dois meses".

"É tudo mentira. Eu estava apenas a acariciar no peito dela no momento da despedida, depois da visita. Não fiz nada(…). Então, uma das enfermeiras viu e foi chamar a polícia em serviço no local”, explicou Samuel Maiala.

Acrescentou que dirigiu-se ao quarto onde estava a doente por indicação de uma prima, sem dar por conta que a mesma estava despida. Samuel Maiala afirmou que em acto contínuo foi despido pela guarda da unidade hospitalar, quando foi alertada sobre o sucedido.

Entretanto, o porta-voz do comando provincial da corporação, primeiro superintendente-chefe Jorge Bengui, disse que os exames legistas ditarão a veracidade dos factos.

Segundo o oficial superior da Polícia Nacional, o cidadão será encaminhado, ainda hoje, ao Ministério Público e posteriormente ao Tribunal para julgamento, realçando que "em função do depoimento da vítima e de testemunhas no local, tudo aponta para um facto consumado".

Para si, é natural que numa primeira fase o alegado criminoso recuse a participação no delito. O cidadão em causa é acusado de ter ludibriado o corpo de segurança do hospital, para facilitar a sua entrada.

Por outro lado, a Polícia Nacional apresentou, também na Unidade Operativa de Luanda, outras seis pessoas acusadas de terem praticado crimes de homicídio voluntário, bem como roubo qualificado de artigos diversos e valores monetários, nos municípios da Ingombota e Viana, em Luanda.

Com relação ao homicídio voluntário, foi vítima um elemento por disparo com arma de fogo, antecedido de espancamento, ocorrido a 26 de Junho, no bairro Capalanca (Viana), numa empresa privada em que era sócio gerente.

Trata-se de um um cidadão de nacionalidade portuguesa, de 50 anos, identificado por Joaquim António Monteiro. Desde o princípio do ano corrente até a presente data, a Polícia Nacional em Luanda apresentou mais de 50 supostos criminosos considerados perigosos, acusados no envolvimento de violações sexuais, homicídios voluntários e roubos qualificados de artigos diversos e valores monetários equivalente em mais de dois milhões de dólares e outros em kwanza e euro.

Artigo relacionado:

Morreu mulher violada no hospital geral de Luanda


Fonte: Angop   



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: