“Gâmbia é um país de crentes, as práticas pecaminosas e imorais como a homossexualidade não serão toleradas neste país”, disse o presidente, em um comício em 15 de maio, relataram jornalistas locais à AFP, nesta quinta-feira.

Jammeh afirmou que vai “cortar a cabeça” de qualquer homossexual apanhado em Gâmbia. A campanha contra o homossexualismo continuou nos veículos de comunicação próximos ao governo, inclusive com um virulento editorial do jornal “Daily Observer”.

“Dissemos antes e vamos dizer outra vez. Esse é um país muçulmano e cristão. Tanto o Corão como a Bíblia condenam a homossexualidade, pura e simplesmente”, dizia o artigo publicado em 19 de maio.

Hoje, um representante do grupo britânico de defesa dos homossexuais Outrage disse que as declarações do líder gambiano não o surpreendem.
“Jammeh tem um longo histórico homofóbico”, comentou o porta-voz Peter Tatchell.

“Se tentar essas ameaças levar adiante, os doadores internacionais retirariam seu apoio, e os turistas deixariam de ir ao país, prejudicando a economia gambiana”, acrescentou.

O turismo é essencial para a economia desse país do oeste da África, que carece de recursos naturais.


Fonte: AFP



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: