Grã-Bretanha - O angolano Mauro Quintino Lopes (foto), 31 anos, foi condenado no dia 17 de Julho a 9 anos de prisão por crime de violação sexual. Um tribunal da cidade de Leeds, no norte da Grã-Bretanha, deu como provado que o angolano violou uma idosa de 89 anos em em Leeds, cidade onde vive e trabalha.

Alegou que já não suportava a ‹‹seca››

Mauro Lopes vive na Grã-Bretanha desde 2002 e era segurança de uma discoteca. Ao tribunal, o angolano começou por negar a acusação. Mas depois de ser confrontado com provas de DNA, ele admitiu a violação. Antes de ser subjugada, a idosa lutou com o agressor, arranhando-o na face. Depois da agressão, ela dirigiu-se a uma esquadra policial onde apresentou queixa. Nessa altura a Polícia recolheu o DNA do agressor. Além disso, a Policia conseguiu, também, localizar o preservativo usado pelo angolano no acto da agressão sexual.

Confrontado com as provas, Mauro Lopes admitiu a culpa, mas tentou aligeirar as suas responsabilidades, atribuindo a agressão sexual à uma prolongada ‹‹seca››.

Ele culpou uma antiga namorada pela prolongada abstinência. O tribunal não conseguiu localizá-la para tirar a limpo a situação. Mauro Lopes admitiu que acompanhava os passos da vítima, de quem era vizinho, há já algum tempo.

Segundo o ‹‹Yorkshire Post››, um jornal da cidade de Leeds, Mauro Lopes chegou à Grã-Bretanha em 2002 utilizando um passaporte falso. O governo deu-lhe asilo político. Em 2007 requereu a nacionalidade britânica mas viu rejeitada a pretensão.

Fonte: SA/Yorshine Post



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: