Luanda - A organização não-governamental SOS Habitat-Acção Solidária apelou esta segunda-feira às instituições de justiça angolanas para que sejam respeitados os direitos humanos das mais de 15 mil pessoas desalojadas pelo Governo de um bairro periférico de Luanda. 
 
As autoridades informaram em comunicado que estão a demolir casas «construídas ilegalmente» na zona do Camama I, no município de Kilamba Kiaxi, com o objectivo de «desencorajar este tipo de atitude ilegal». Na zona do Camama I, bairro arredores de Luanda, foram já destruídas, desde sexta-feira, cerca de três mil residências.

A SOS Habitat, organização não governamental afirmou num comunicado à imprensa que o «desalojamento forçado» viola os direitos humanos uma vez que ocorreu sem que as pessoas fossem realojadas. O coordenador de direcção da SOS Habitat, Luís Araújo, disse que as pessoas «estão ao relento, sem terem para onde ir».

Segundo o administrador de Kilamba Kiaxi, José Correia, as autoridades «agem de modo apropriado» no processo de demolição das casas que envolve os serviços de fiscalização, militares das Forças Armadas, Polícia de Intervenção Rápida e da ordem pública. «Não se verificam abusos de autoridade contra a dignidade e integridade física das pessoas», disse José Correia acrescentando que «as pessoas são convidadas a retirar os seus pertences para só depois ocorrerem as demolições».

(Foto de arquivo)
 
Fonte: PNN Portuguese News Network



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: