Luanda - O Serviço de Investigação criminal mantém detido desde Maio de 2018, o empresário marfinense Dabine Dabire que aproximou-se das autoridades angolanas comprometendo-se investir “bilhões” de dólares americanos em projectos de construção de bairros-piloto que se estenderiam pela província de Luanda, Bengo, Benguela, e Kwanza-Sul, no quadro do projecto cidades inteligentes.

Fonte: Club-k.net

Ao longo da sua estadia em Angola, Dabine Dabire  estabeleceu vários contactos com altos funcionários do regime  com realce para o então chefe da casa civil, de Eduardo dos Santos, Edeltrudes Maurício Fernandes Gaspar da Costa e o então diretor da UTIP, Ernesto Manuel Norberto Garcia. Ambos foram recentemente chamados por um juiz do Tribunal Provincial de Luanda (TPL), para certificar se de facto  o empresário marfinense, estabeleceu contactos com os mesmos e se os seus projectos eram factuais.

 

O Club-K teve acesso ao, “draft” do memorando dos contactos, em que a equipa de Dabine Dabire explica como o empresário marfinense  chegou a Angola e os contactos que quase o levaram  a ser recebido pelo então Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos para abordagem dos  seus projectos.



Segundo o memorando “O projecto em causa, na sua génese foi desenhado para ser implantado na Costa do Marfim e no Burkina Faso, e não em Angola.”

 

“Para vir em Angola pela primeira vez, foi o Sr. Konde João da Silva, representante da empresa de direito Angolano INICOPRO, LDA, quem o abordou e não o contrario. O Sr. Konde o disse que o governo angolano estaria interessado em ver o projecto a ser implantado em Angola. E que, ele Sr. Konde regressaria para Angola no sentido de entrar em contacto com as autoridades Angolanas.”

 

“Estando em Angola, o Sr. Konde ligou para o Sr. Dabire e o informou que tinha que vir rápido para Angola, porque as autoridades Angolanas gostaram do projecto, e que, o presidente da República, a data dos factos, José Eduardo dos Santos estava esperando por ele para recebe-lo em audiência.”

 

“Logo no segundo dia da sua estadia em Angola, o Sr. Konde e mais três indivíduos da sua equipa, dirigiram-se ao Hotel onde o Sr. Dabire esteve hospedado, e o disseram que no dia seguinte iriam reunir com o Secretário Geral do MPLA, o Sr. Paulo Cassoma, na sede do partido. Estando na sede do MPLA, o Secretário Geral, Paulo Cassoma não se fazia presente e, foi recebido pelo Sr. General Tchifuta. Aquele General, informou ao Sr. Dabire que seria recebido pelo Sr. Mário António, que a data dos factos era Secretário para informação do partido.”

 

“Depois que o Sr. Mário António o desejou boas vindas, o informou que o país se encontrava em campanha eleitoral e que, convidaria os membros do executivo no sentido de os apresentar o projecto e se criar condições para que o mesmo se implementasse em Angola.”

 

“Depois do encontro na sede do MPLA, voltou ao Hotel e, lá, questionou ao Sr. Konde quando é que se iria realizar a reunião com o Presidente da República. Este respondeu-lhe que, como o Presidente da República deslocou-se à Espanha em visita privada, temos que nos dirigir à UTIP. “

 

“Lá na UTIP, foi recebido pelo ex-responsável máximo daquele órgão, o Sr. Ernesto Manuel Nortberto Garcia e mais sete pessoas da sua ex-equipa a data dos factos, desejaram boas vindas ao Sr. Dabire. O Sr. . Ernesto Manuel Nortberto Garcia, o informou que todo o investimento privado acima de 10 milhões, tinha que passar pela UTIP, e que tinha que se apresentar um estudo de viabilidade.”

 

“Não se encontrou com o Presidente da República como lhe foi prometido pelo Sr. Konde, ao sair da UTIP, dirigiu-se ao Aeroporto internacional 4 de Fevereiro para pegar o voo com destino ao Dubai. Estando na sala de Protocolo do aludido aeroporto, apareceu o Secretário de Estado do Ministério do Interior, o Sr. Eugénio Laborinho, e o disse: Reconheço que a sua presença em Angola não foi produtiva tal como o Sr. Esperava, e estou cá em nome do meu país, em nome do Secretário Geral do MPLA, o Sr. Paulo Cassoma, e pedimos desculpa. Pelo que, vamos preparar melhor a sua vinda para Angola na próxima vez.”

 

“Três semanas depois que partiu para o Dubai, recebeu um telefonema do Sr. Konde da Silva e o informou que o Presidente José Eduardo dos Santos já se encontrava em Angola, e que o mesmo não tinha outra data de audiência para recebe-lo, mas que as condições já estavam criadas para a sua segunda vinda para Angola. Foi assim que o Sr. Dabire respondeu, dizendo que já não regressaria para Angola, se não houvesse uma Agenda Escrita para o encontro. Daí, recebeu um outro telefonema, mas desta vez, foi do Sr. General Tchifuta, na qualidade de membro do MPLA. “

 

“O Sr. General Tchifutao informou que esteve agendada uma reunião com certos Ministros, mas que a mesma só seria possível se o Sr. Dabire viesse para Angola. Pelo que, o Sr.Dabire tinha que voltar para Angola.”

 

“Depois o Sr. Konde da Silva o informou que a UTIP já tinha feito o convite para sua vinda em Angola. Para alem de receber o referido convite por via Email, três dias depois, o Sr. Dabine Recebeu o aludido convite em suporte físico, e lhe foi entregue pela empresa DHL. Por demora na emissão de visto para Angola por parte da Embaixada no Dubai, acabou vindo ao país por meio de um visto de fronteira requerido pela UTIP.”

 

“Já em Angola pela segunda vez, foi dirigido à UTIP, e o Sr. Norberto Garcia voltou a lembra-lo que nos termos da Lei do Investimento Privado, o projecto tinha que ter um estudo de viabilidade sobre os seis ramos do projecto que correspondem os seguintes..”

Loading...

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: