Lisboa - Craig Coley foi condenado em 1978 pelo duplo homicídio da ex-companheira Rhonda Wicht e do filho de quatro anos. Cumpriu 38 anos de prisão, ao fim dos quais conseguiu provar a sua inocência.

Fonte: SIC

Vai agora receber 21 milhões de dólares como compensação

O veterano de guerra foi libertado em novembro de 2017, depois de uma nova análise revelar inconsistências no caso. Como compensação vai receber 21 milhões de dólares (cerca de 18,5 milhões de euros).

 

O crime terá acontecido numa madrugada de novembro, no apartamento onde viviam as vítimas. Rhonda Wicht terá sido estrangulada e violada, e o filho Donald sufocado. As primeiras suspeitas recaíram sobre Craig Coley com o relato de uma vizinha, que diz ter ouvido uma discussão e visto alguém parecido a Craig sair do apartamento.

 

Depois de dois julgamentos, foi sentenciado a prisão perpétua sem a possibilidade de liberdade condicional. Sem nunca se acomodar com a condenação, decidiu recorrer à ajuda de um detetive da polícia local.

 

Mike Bender conseguiu provar que afinal, a testemunha que dizia ter visto alguém sair do apartamento não teria uma vista desimpedida da janela. Pouco depois, amostras de ADN que se julgavam perdidas foram encontradas e reexaminadas. O ADN recolhido na cena do crime não coincidia com o de Craig Coley.

 

Cerca de quatro décadas depois, o governador Jerry Brown perdoou Craig Coley, que vai agora receber cerca de 18,5 milhões de euros como compensação pela condenação errónea. "Embora nenhuma quantia possa compensar o que aconteceu com Craig Coley, resolver este caso é a coisa certa a fazer por ele e pela nossa comunidade", disse Eric Levitt, autarca de Simi Valley, citado pela BBC.

 

Ao LA Times, Craig revelou que passou “quatro décadas sem poder fazer o luto pela mulher e filho que amava”.

 

Até ao momento, as autoridades ainda não identificaram o responsável pelo duplo homicídio.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: