Lisboa - As autoridades angolanas mandaram para casa, esta sexta feira, o antigo Chefe do Serviço de inteligência externa, Fernando Garcia Miala que estava  a receber tratamento hospitalar numa das unidades clinicas de Luanda encerrando assim o processo que se impunha contra a sua pessoa.

 

Fonte: Club-k.net

Antigo patrão da secreta
em fase melindrosa

ImageDe acordo com informações habilitadas, a soltura de Fernando Miala esta na base da “retificação” de  uma omissão tida  “propositada” a margem do indulto presidencial emitido em Abril passado em alusão ao aniversario da paz.

 

Na altura a copia do  documento posto a disposição das autoridades judiciais trazia uma linguagem “inteligente” com interpretação “dupla” ao qual os tribunais optaram pela a que ia ao encontro de  leituras feitas da vontade do regime.  Na seqüência do esclarecimento da real interpretação do documento foram libertados prisioneiros que haviam cometidos  crimes de natureza militar; com realce a Fernando Lelo, solto  nas ultimas semanas de Agosto.

 

Em verificação esta uma versão sustentado  que a soltura de Fernando Miala foi ditada no levantamento do “momento oportuno” tendo em conta ao seu estado de saúde que se diz resultar  de  drogas exageradas de  anti paludicos.  No ver,  de personalidades entendidas na matéria e que o visitaram,  o mesmo teria sido alvo de uma substancia estranha no seu corpo  tendo em conta as características  que apresentava como “estado de delírio” pondo a falar coisas sem nexo e  “perca de sentido” que levantou rumores de que tinha morrido.
 


Razões adicionais  que ditaram a soltura de Miala


- Seu estado de saúde melindroso ao qual o regime receava que acontecesse uma fatalidade que provocaria ma imagem para as autoridades.


- Cumprimento da metade da pena ao qual deveria ser solto em Julho passado.


-  “momento certo”  tendo em conta o aproveitamento de charme;  estão a ser espalhados rumores propositados a anunciar, em meios jurídicos do regime de  que o mesmo saiu por decisão de um  indulto presidencial”, após a constatação de que o mesmo não incorreu contra algo que atenta-se a lealdade de JES e de que Fernando Miala foi, de facto, alvo de uma cilada por parte de opositores dentro do regime.


- Criação de tempo oportuno para saída no sentido de apontar responsabilidades do prolongamento da sua detenção a outras figuras já verificadas nas informações que acabaram por apontar o General Zé Maria por intermédio do General Filomeno Peres “Filó” como os  empecilhos da liberdade de Garcia Miala.

 

Em simultâneo ao procedimento da  liberdade que estava programada  foram por outro lado registrado sinais de aproximação que Fernando Miala vinha tendo com JES  mesmo a partir da cadeia.

A Saber: 

- Familiares de F Miala  haviam sido chamados na cidade alta para serem informados a cerca de uma versão interna “dos factos” tendo os mesmos se conformado de inicio de que a prisão do irmão  era um assunto “entre eles” e que seria  soluçado em breve.


- Na seqüência da aproximação a nível familiar, uma irmã mais nova do mesmo, “São” Miala e que já  era ligada as sobrinhas de  JES, a partir do exterior onde estudaram juntas, voltou a ter  abertura naquele meio familiar. No dia 20 de Agosto de 2008  foi  vista no casamento de um sobrinha de JES, Martinha Santos Sousa, ocorrido num restaurante em Luanda, Jango Veleiro.


- Ocorrência de um atribuído contacto por  intermédio de  Mendes de Carvalho ao qual era portador, na cela de Miala na cadeia de Viana,  de uma mensagem verbal “de cima”  coincidindo, em seguida, com informações postas a circular em meios da segurança   segundo a qual Fernando Miala teria recusado um pedido de desculpas publicas em troca da sua liberdade


- Rumores em meios restritos do circulo  presidencial (do desconhecimento de Kopelipa e Zé Maria) alimentando  de que  JES e Fernando Miala estariam a ter “bom entendimento”  via telefone.  Dando também consistência de  que o antigo DG da Inteligência externa tinha, na cadeia, a sua disposição  uma linha “secreta” com acesso ao telefone privado do PR.


Tais contactos foram prenunciadores da atitude que Fernando Miala  mantinha “fiel” a JES quando lhe chegavam informações por vias de jornais que responsabilizavam a sua permanência na cadeia como efeito da vontade do PR em castigá-lo.  No pensamento identificado em  Miala foi de que a sua detenção deveu-se mesmo a uma  cabala de elementos hostis a si  levando-lhe a manter se confiante  nos procedimentos de JES consubstanciado na idéia de que o “chefe” agiria  em momento certo.

 

Em saturação por efeito da  promessa feita na “cidade alta” da soltura de Garcia Miala  e de registros de  ocorrências estranhas, os familiares recorreram as rádios para fazer pressão de forma mais avançada invocando o seu estado de saúde. Fernando Miala  deve deslocar-se, em breve para a África do Sul para dar continuidade aos cuidados médicos.

 

Antes da soltura, o regime havia criado condições e plano para que  fosse assistido numa cadeia hospitalar neste país  sobre um controle cerrado. Os familiares entraram em  objeção com o regime  tendo em conta a outros antecedentes  com destaque a  um sobrinho de Jonas Savimbi, Arlindo “Ben Ben” enviado pelas autoridades angolanas a  Pretoria para tratamento medico e morto em moldes identicos. Na Altura sectores de inteligência da África do Sul contactaram o então SG, da UNITA, Lukamba “Gato” avisando que o General  “Ben Ben” iria morrer  por ter sido infectado com  bactérias feitas em laboratórios.

 

Fernando  Miala em fase melindrosa


De acordo com o "Africa Monitor Inteligence" o estado de saúde de Fernando Miala é considerado delicado no parecer de uma junta de dez médicos, nove angolanos e um cubano; é esta a razão de ser da permissão do Tribunal Militar Superior de Angola (TMSA) para o mesmo se ausentar para o estrangeiro em busca de tratamento – África do Sul, é país previsto.

 

Tendo em conta práticas do antecedente consideradas demonstrativas de uma linha de constante interferência do regime no tratamento judicial do caso de F Miala , a decisão do TMSA é, de facto, remetida para orientações/influências exercidas pela PR (conduta justificada por imperativos políticos e de segurança interna).

 

O factor determinante da decisão que autoriza F Miala a ausentar-se para o estrangeiro é a suposição de que poderá não recuperar do seu estado de saúde. O ónus para o regime de um desenlace fatal seria maior se o mesmo ocorresse no país e, sobretudo, se não tivessem sido atendidos pedidos da família para o seu tratamento no estrangeiro.

 

A natureza dos padecimentos de F Miala é objecto de especulações desencontradas, uma das quais é envenenamento. Ao longo do seu tempo de cárcere, desde 2007, F Miala limitou a sua alimentação a mantimentos provindos de casa – uma atitude indicativa de receios de envenenamento baseados no conhecimento que tem da matéria.

 

F Miala, ex-DG do SIE-Serviço de Inteligência Externa  foi uma figura preponderante do regime e do círculo presidencial. O seu abalizado conhecimento de sensíveis segredos do regime e o uso que eventualmente lhes poderia dar fora do país, ditou sempre a tomada de medidas activas visando impedir ausências para o estrangeiro.

 

Há indicações segundo as quais F Miala, agindo por efeito dos primeiros pressentimentos de que iria ser afastado, terá tratado de pôr a bom recato, no estrangeiro, documentos destinados a garantir a sua segurança pessoal (instruções para os divulgar em caso de circunstâncias adversas).

 

Face à eventualidade da sua libertação, em Jul.09 (AM 398), foram accionadas medidas operativas destinadas a prevenir eventuais tentações de fuga. Uma dessas medidas consistiu em instalar na viatura que seria posta à sua disposição sistemas electrónicos de escuta e de localização geográfica.

 

O caso F Miala é tido como um factor de desgaste da superestrutura do regime, em especial do PR, José Eduardo dos Santos (JES); as razões usualmente enunciadas são as seguintes:


- Ficou demonstrado que JES está “refém” do núcleo que vela pela sua segurança pessoal; as razões apresentadas pelo referido núcleo para justificar o afastamento de F Miala careciam de solidez (acusado de implicação em planos sediciosos; condenado por mera insubordinação).


- JES também demonstrou frieza e ingratidão face a um dos seus mais fiéis servidores de sempre; aceitou o seu afastamento compulsivo, seguido de medidas como o seu despatenteamento militar (uma conduta com eventuais repercussões negativas na confiança futura de outros servidores).


- Figuras e grupos de primeiro plano do regime que no passado cultivavam o convívio com F Miala na expectativa de favorecimentos pessoais e outros, passaram a ignorá-lo e/ou a ostracizá-lo.


F Miala foi a dada altura do seu consulado no círculo presidencial identificado como segunda figura do regime. A reputação radicava na sua pertença ao círculo íntimo de JES e na capacidade de influência que irradiava. Gozava de popularidade, em parte devida a atitudes de apoio e benemerência social.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: