Washington - José Filomeno dos Santos e seus familiares (Stela Maria Sousa Santiago, Filomena Santana Sousa e Cunha “Necas”, Eunice Urbano de Sousa) deixaram de fazer parte da firma STAZE – Captura e Comercialização de Pescado conforme retrata a IIIª Série do “Diário da República” n.º 40 de 27 de Fevereiro de 2017.

Fonte: Club-k.net

A referida publicação dá conta da cessão de quotas por parte dos sócios José Filomeno Sousa dos Santos e seus familiares, ficando apenas na estrutura accionista, a empresa “Rosas e Pétalas”, pertencente ao sócio da STAZE, Celso Rodrigues Lemos Rosa.

 

Um mês depois da cessão dos seus sócios, a Imprensa Nacional fez sair – erradamente - um outro Diário da República (IIIª Série n.º 42 de 2 de Março de 2017), cujo artigo 8.º dos seus estatutos indica Celso Rosa e Zenú dos Santos a serem confiados para a posição de sócios-gerentes da STAZE. O referido diário, foi apenas publicado dois anos depois da elaboração da acta da Assembleia Geral de 2015.

 

Recentemente, o Ministério dos Recursos Minerais e Petróleos provou - por via do Despacho n.º 4020/19 - o Contrato de Investimento Mineiro para prospecção e pesquisa de depósitos primários de diamantes do Projecto Lulo, na Província da Lunda-Norte, na qual faz parte como parte interlocutora a Rosas & Pétalas, S.A., detida por Celso Rodrigues. Fazem ainda parte deste projecto, a estatal Endiama (32%), e a Lucapa Diamond (40%), empresa australiana que é operadora da mina.

 

Existente desde Setembro de  2016, a STAZE – Captura e Comercialização de Pescado foi inicialmente constituída por José Filomeno dos Santos e Stela Santiago. Somente, no ano seguinte que a sociedade passou a ter mais outros quatro sócios (Filomena Cunha, Celso Rosa, Eunice Sousa, e Antónia Van-Dunem). 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: