Luanda - O secretário para a Saúde Pública de Angola disse esta quarta-feira à Lusa que pretende juntar médicos e farmacêuticos para se definir um plano de ação que promova o desenvolvimento da medicina tradicional africana no país.

Fonte: Lusa

As declarações de José Manuel Vieira Dias da Cunha foram realizadas à margem do Fórum de Cooperação Internacional de Medicina Tradicional Chinesa que começou esta quarta-feira em Macau e que reúne mais de 700 participantes do território, do interior da China, da Ásia, Europa e de países lusófonos.

 

O governante afirmou que, depois do que viu em Macau, nomeadamente o Parque Científico e Industrial de Medicina Tradicional Chinesa, está a pensar em juntar "a Ordem dos Médicos com a associação dos médicos tradicionais (...), e mesmo a Ordem dos Farmacêuticos".

 

"Poderíamos tentar elaborar um plano de ação, com um cronograma bem definido, das ações que vamos de ter de realizar no sentido de desenvolvermos a medicina tradicional angolana e ver que tipo de cooperação podemos vir a ter com a medicina tradicional chinesa", explicou o secretário de Estado.

 

O secretário de Estado sublinhou a importância de se apostar num maior aproveitamento das plantas autóctones para se desenvolver a medicina tradicional africana e para se produzir medicamentos de forma industrializada.

 

"Se formos bem sucedidos a esse nível e se se provar a eficácia dos medicamentos, isso abre obviamente uma porta muito grande para a exportação", argumentou.

 

"Está elaborado o plano estratégico de medicina tradicional e, provavelmente ainda antes deste ano acabar, será aprovado. (...) A partir daí vamos dar o pontapé de saída e todo o salto para o desenvolvimento da medicina tradicional no nosso país", concluiu.

 

A estratégia de 'exportação' da Medicina Tradicional Chinesa para os países lusófonos, utilizando também Portugal como porta de entrada para a Europa, é encarada como um dos eixos centrais de atuação para 2019 pelas autoridades de Macau.

 

A aposta tem sido marcada por algum sucesso nos países africanos de língua portuguesa, sobretudo na formação de médicos e terapeutas, com Macau a definir um plano até ao final de 2019 que abrange a obtenção de licenças de comercialização de medicamentos.

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: