Luanda - O Governo angolano pretende atrair investidores internacionais, particularmente americanos, para absorver know how, tecnologia avançada e captar recursos financeiros para a economia nacional, visando diversificar e aumentar a produção interna de bens e serviços.

Fonte: Angop

A intenção foi expressa esta segunda-feira, em Nova Iorque, pelo embaixador de Angola nos Estados Unidos da América, Joaquim do Espírito Santo, quando peocedia a abertura do 5º “Roadshow” do concurso público para concessões mineiras angolanas (apresentações técnicas), tendo augurado o incremento das exportações de recursos minerais.

 

Lembrou que Angola é, de facto, considerada a nível mundial um dos países potencialmente rico em recursos minerais, sendo, contudo, necessário comprovar esta potencialidade com a participação de investidores privados no processo de prospecção.

 

“O nosso objectivo, com todas estas medidas, é o de edificar em Angola uma economia baseada num crescimento forte e sustentado, acabando com a grande dependência do nosso país em relação ao petróleo, como principal produto de exportação”, referiu.

 

Recordou que o Executivo Angolano está a realizar importantes reformas no sistema judicial e de investigação criminal, para combater de modo mais efectivo a corrupção e a impunidade, defender a transparência nos negócios, assegurando, assim, a defesa dos direitos e garantias de todos os cidadãos e dos agentes económicos.

 

Segundo o diplomata, as apresentações técnicas têm servido, igualmente, para dar a conhecer que Angola está aberta ao investimento privado americano e de outros países, augurando o aumento de postos de trabalho com a instalação de mais empresas no país.

 

A propósito, lembrou que à margem da participação de Angola na 74a sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, o Presidente da República, João Lourenço, orientou nos dias 23 e 25 de Setembro dois importantes eventos em que participaram, de forma numerosa, empresários e grandes bancos americanos.

 

"O Chefe de Estado transmitiu aos participantes uma mensagem sobre a nova Angola que estamos a construir, um esforço de mudança por via do qual pretendemos colocar o país, tao rapidamente quanto possível, no mesmo patamar em que se encontram as nações empenhadas em promover o progresso, o desenvolvimento e o bem-estar dos seus povos, através de boas práticas de governação", afirmou o embaixador.

 

Salientou que o governo angolano está a implementar um conjunto de medidas que se inscrevem no seu Plano de Desenvolvimento Nacional, que assenta em alguns eixos fundamentais como o desenvolvimento económico sustentável, a boa governação, a integração regional e internacional e o desenvolvimento das infraestruturas.

 

"Para a sua concretização, torna-se necessário atrair investimento estrangeiro para a nossa economia, a fim de a diversificar, aumentar a nossa produção interna e assegurar assim o aumento das exportações de bens diversos", Espírito Santo.

 

A apresentação deste “Roadshow”, em Nova Iorque, o último agendado nessa fase, visou esclarecer o que realmente vai acontecer no concurso público e descobrir as novas perspectivas de investimentos nas concessões mineiras.

 

Além de Nova Iorque, foram realizados roadshows em Luanda (Angola), Dubai (Emirados Árabes Unidos), Beijing (China) e Londres (Inglaterra).

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: