Luanda - Saiba um pouco mais sobre o Dr. ESTEVÃO JOSÉ PEDRO KACHIUNGO, ou simplesmente “Zé Pedro Kachiungo”, candidato a Presidente da UNITA.

Fonte: UNITA

É um jovem político patriota, íntegro, corajoso e perspicaz. É docente universitário, é poliglota, é empreendedor, é consultor, é filantropo e conferencista.

É UM ASSUMIDO DISCIPLO DO PRESIDENTE FUNDADOR, GUIA E MESTRE DR. JONAS MALHEIRO SAVIMBI E IGUALMENTE UM LEAL E DEDICADO SUBORDINADO DO PRESIDENTE DA UNITA DR. ISAIAS SAMAKUVA. Tem 56 anos de idade e é natural da Missão Evangélica do Dondi, no Município do Katchiungo, na Província do Huambo. É filho de Evaristo Pedro Lukamba Kawindimba e de Rosalina Chilombo Pedro.


É Casado com Alberta Victorina Paulo Kalitangui Kachiungo e pai de três filhos.


É Deputado à Assembleia Nacional pelo Grupo parlamentar da UNITA do qual é o Vice- Presidente..


Fez os seus estudos primários, na cidade portuária do Lobito, na Escola Primária da emblemática Igreja Evangélica da Canata, nos Colégio de Sameiro e no Colégio de São Pedro, ambos situados no Bairro do Lírio e no Colégio Luís de Camões no Bairro 28.


O seu sólido e longo percurso político de 43 anos, todo ele feito na UNITA, fala por si! Ingressou na UNITA ainda adolescente, logo a seguir ao 25 de Abril. Em 1976, com apenas 13 anos de idade, integra as redes clandestinas da UNITA com os seus pais. Nesta qualidade, foi o delegado mais novo do IV°- Congresso Ordinário da UNITA que teve lugar na localidade da Benda, na Província do Huambo. A partir dai participou como Delegado à todos os Congressos e Conferências Nacionais da UNITA, com a excepção do VIII°- Congresso e da XVI Conferência.

No ano de 1977, partiu para as matas de Angola, na então Região Militar 45, na Base de Kanyãnli, em companhia de seus pais e de todos seus irmãos.


Esteve nas Regiões Militares 45, 19, 63, 11, 17 e 47 e depois nas Bases das Terras Livres de Angola.


Frequentou as primeiras Escolas criadas pela UNITA, (debaixo de arvores) no Delta e no Katapi.


Muito cedo, o Dr. Jonas Malheiro Savimbi reconheceu nele uma grande capacidade de liderança, assim é que aos 17 anos de idade foi coptado para o Comité Central do Partido, actualmente Comissão Política, o que faz dele o mais jovem membro de Direcção do Partido de todos os tempos.


Em 1981, foi o mais jovem formando do primeiro curso de formação política de quadros no prestigiado Centro de Estudos Comandante Kapesi Kafundanga - CECKK, o qual foi integralmente ministrado pelo Guia e Mestre Dr. Jonas Malheiro Savimbi. Destacado líder juvenil, José Pedro Kachiungo é co-fundador do Instituto Polivalente Loth Malheiro Savimbi, no Katapi e do Liceu do Luenge, depois baptizado Liceu Nacional Comandante Samanjolo.


Em ambos Liceus foi o coordenador e representante da massa estudantil revolucionária perante o corpo docente e perante à Direcção do Partido. Entra para a Gabinete do Alto Comandante, pela Bigrada Anti Corrupção - BAC, na altura sob direcção do malogrado Brigadeiro Sabino Sandele.


Em 1982, depois de ter concluído com sucesso o 9º- Ano de Escolaridade, chefiou o primeiro grupo de apenas quatro estudantes da UNITA enviados à Portugal, a fim de prosseguirem os seus estudos, no quadro de uma estratégia de longo prazo desenvolvida pelo Dr. Savimbi de garantir a perenidade da UNITA através de novas gerações de quadros e dirigentes capazes, política e academicamente.


Assim, em 1983, iniciou os seus estudos liceais no Liceu Camões em Lisboa, a mesma escola onde havia estudado o Dr. Jonas Malheiro Savimbi há 36 anos, e concluiu o ensino liceal no Liceu Pedro Nunes em Lisboa.


O desejo de seu pai, um grande Enfermeiro afecto ao Porto, era que o filho fosse Médico, mas a paixão de José Pedro Kachiungo eram as Engenharias.


Em 1987 é admitido ao curso de Engenharia Geológica na Universidade de Aveiro, que frequentou até ao 3º- Ano, altura em que suspende o curso por dois imperativos:


a)- É chamado pelo Dr. Savimbi a fim de integrar as delegações da UNITA às primeiras negociações directas entre a UNITA e o MPLA em Gbadolite, na então República do Zaïre;


b)- O Dr. Savimbi insta-lhe a trocar de curso para o Curso de Economia Política, como dizia, “para não cometer o mesmo erro que o Salupeto que é mais político que engenheiro”, fim de citação.


José Pedro Kachiungo manteve sempre uma directa e longa relação de proximidade e de confiança com o Dr. Savimbi que o levou consigo em todos os processos de negociações desde Gbadolite a Bicesse.


Cumpriu inúmeras missões confidenciais como emissário especial do Dr. Jonas Malheiro Savimbi junto de vários chefes de estados, junto de governos e amigos em África, Europa Ocidental e do Leste, Médio Oriente e Estados Unidos da América.


Em Portugal, sob orientação do Dr. Jonas Malheiro Savimbi e com os colegas estudantes vindos das Terras Livres De Angola e da representação da UNITA, desenvolveu uma intensa actividade política de mobilização e enquadramento junto da vasta comunidade angolana que foi decisiva para a implantação de Comités da UNITA naquele país europeu.


Foi Presidente da União Revolucionária dos Estudantes de Angola Livre - UREAL, um sindicato de vanguarda criado em 1989, na Base estratégica da Bembua, pelo Dr. Jonas Malheiro Savimbi, que foi seu Membro Honorário.


Fez parte da equipa negocial chefiada pelo malogrado Eng°- Geremias Chitunda, então Vice Presidente da UNITA e integrou a Delegação do Presidente da UNITA que a 31 de Maio, em Bicesse - Portugal, assinou os Acordos de Paz para Angola.


Escassos meses depois, cumpridas várias missões pela Europa, José Pedro Kachiungo voava directamente para Luanda, num avião C-130, trazendo consigo o primeiro emissor da Rádio VORGAN em de Frequência Modelada - FM que viria a ser instalado em Luanda, duas viaturas blindadas protocolares de marca Mercedes Benz para uso pessoal do Dr. Savimbi e diverso material de propaganda.


José Pedro Kachiungo fez parte da Comissão encarregue de organizar a recepção do Dr. Jonas Malheiro Savimbi em Luanda, e foi ele quem dirigiu o Programa do histórico comício no Largo 1° de Maio, que marcou o regresso triunfal do Mwata da Paz à Luanda.


Foi a ele que o Dr. Savimbi deu a responsabilidade de ser o fiel dos cofres do Partido.


Em 1992, com apenas 27 anos José Pedro Kachiungo assume a missão de dirigir a Delegação da UNITA na Província de Benguela, tornado-se, uma vez mais no mais jovem Secretário Provincial de sempre.


Foi o anfitrião e organizou com muito sucesso a histórica e única Convenção Eleitoral da UNITA realizada no Lobito.


Nas eleições legislativas e presidenciais de 1992, foi o Mandatário da UNITA e do Dr. Savimbi na Província de Benguela, circulo eleitoral ganho pela UNITA, pelo qual foi eleito Deputado à Assembleia Nacional, mas não chegaria a ocupar o seu lugar.


Na sequência do conflito pós eleitoral parte de Benguela para o Huambo, onde de 1993 à 1995 assume a função de Director do Gabinete Presidente da UNITA em substituição do seu irmão mais novo, o saudoso General Elias Malungo Bravo da Costa Pedro "Kalías" que rumava para o cumprimento de outra missão do e Alto Comandante das FALA. Neste período é promovido ao grau militar de Brigadeiro.


Como Director do Gabinete do Dr. Savimbi, José Pedro Kachiungo segue de perto todas as movimentações à volta das negociações de Lusaka.

É indicado membro da Comissão Organizadora do VIII° Congresso Ordinário que teve lugar na Vila do Bailundu, no qual não participou, porque, uma vez mais foi chamado:


a)- A cumprir missões pelo mundo na procura de formas de contornar as sanções injustas da ONU impostas à UNITA, ou no mínimo, mitigar os seus nefastos efeitos;

b)- Retomar o projecto de formação académica, com a seguinte recomendação/ordem: “Desta vez inscreve-te num curso que tenha a ver com a tua natureza de político que és. Essa é a tua sina.” Dr. Jonas Malheiro Savimbi.


Posto em Portugal, e já sem a bolsa de estudos da UNITA, num contexto de muitas dificuldades agravadas pelas sanções acima já referidas, José Pedro Kachiungo foi ao mercado de trabalho em busca de sustento para si e para a sua família, ao mesmo tempo que estudava.


Desta feita, trabalhou na empresa Carter import Airport como Chefe de Equipa de Operações de Placa no Aeroporto Internacional de Lisboa e mais tarde no prestigiado grupo hoteleiro italiano Don Pedro de Stefano Savieti, no qual exerceu a função de Administrador Executivo paras as Infraestruturas e Manutenção.


Apesar das dificuldades José Pedro Kachiungo não desistiu e manteve o foco na missão que lhe fora incumbida pelo seu Mestre, o Alto Comandante das FALA.


Assim, no ano de 2000 terminava com sucesso a sua licenciatura em Ciência Política e Administração Pública pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologia - UHLT em Lisboa - Portugal e inscreve-se no curso de Mestrado em Políticas Públicas pela Universidade Católica de Lisboa.


A morte em combate do Alto Comandante a 22 de Fevereiro de 2002, foi um duro golpe que abalou profundamente a estrutura psiquico-emocional do jovem José Pedro Kachiungo que, em consequência, interrompe o seu Mestrado.


Regressado ao pais, José Pedro Kachiungo retoma as suas actividades politicas, mas também se engaja na vida acadêmica tornando-se docente universitário na Faculdade de Letras e Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto - UAN, na Universidade Lusíadas de Angola - ULA, no Instituto Superior de Ciências Sociais e Relações Internacionais - SIS e deu aulas nos Polos Universitários do Ministério da Defesa e no Polo Universitário do Kapolo, adstrito ao Ministério do Interior que deram lugar à Escola Superior de Guerra e ao Instituto Superior de Ciências Policiais Serra Van Dúnem, respectivamente.


Em todos estes estabelecimentos de ensino superior orientou inúmeros trabalho científicos de pesquisa e monografias de fim de curso.


José Pedro Kachiungo notabilizou-se como um excelente Professor e nas lides académicas goza de muito respeito, admiração e também de muita simpatia.


Traduzindo na prática o 5º- Princípio de Muangai, há mais de uma década que José Pedro Kachiungo tem desenvolvido um ambicioso projecto empresarial na área da economia verde e do agro-negócio.


Tem dado o seu contributo no desenvolvimento e no crescimento da economia nacional dando oportunidade de ter uma renda à muitas famílias de jovens por si retirados do desemprego, profissionalmente formados "on job" e remunerados de forma justa.


No âmbito da sua responsabilidade social, de entre outras acções e de acordo com as suas possibilidades, José Pedro Kachiungo há largos anos que vem financiando algumas bolsas de Estudos para órfãos, filhos de muitos companheiros de luta tombados no campo de honra e perspectiva alargar a sua iniciativa para a atribuição de bolsas de mérito, destinadas à estudantes com um aproveitamento acadêmico excelente, mas que tenham dificuldades de custear os seus estudos.


Em 2004 a 2005 foi o Secretário da UNITA em Luanda, cargo que viria a deixar para se ocupar do Secretariado Nacional para os Assuntos Eleitorais.


Homem de convicções profundas e de acção, em 2011, no âmbito do XI°- Congresso Ordinário do Partido, quando muitos se acobardaram, o jovem José Pedro Kachiungo teve a coragem de apresentar a sua candidatura ao cargo Presidente da UNITA que disputou e perdeu para o influente e respeitadíssimo Dr. Isaías Samakuva


Ainda assim, obteve o melhor resultado de sempre em comparação com os resultados combinados de todos os candidatos vencidos pelo Dr. Isaías Samakuva desde o IX° Congresso!


Em 2012 foi Mandatário do partido nas eleições gerais e foi eleito Deputado à Assembleia Nacional.


Em 2017 voltou a ser o Mandatário da UNITA e é reeleito deputado à Assembleia Nacional.


Sagaz e muito atento aos pormenores, o jovem José Pedro Kachiungo teve a audácia de desmontar ao vivo a fraude orquestrada pela Comissão Nacional Eleitoral - CNE, ao exigir no momento oportuno, a pesagem das esferas do sorteio destinado a definir a posição dos concorrentes às eleições gerais no Boletim de Voto.


Através das televisões que faziam a cobertura, os angolanos e o mundo ficaram a saber, em directo, que a CNE tinha preparado para o MPLA uma esfera com peso superior às demais, o que com base na Lei da gravidade teria sido a primeira a cair pelo ralo.


Fazendo jus à sua capacidade de antecipação, o jovem José Pedro Kachiungo foi o primeiro militante a tornar pública a sua intenção de se candidatar ao cargo máximo executivo da UNITA, no quadro do seu XIII° Congresso Ordinário.


Fala Umbundu, a sua língua natal, o Português e é bom em Francês e Inglês.


É O MAIS JOVEM ENTRE POSSÍVEIS CANDIDATOS AO CARGO DE PRESIDENTE DA UNITA.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: