Luanda – Adalberto da Costa Júnior entra oficialmente – na história política angolana – como o terceiro presidente da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA). O deputado que ostentava o n.º 3 no boletim de voto, foi eleito com quase 600 votos, que corresponde a cerca de 53,4%, pelos delegados, num processo eleitoral transparente e democrático. 

Fonte: Club-k.net

Assim sendo, Adalberto substitui Isaías Samakuva que liderou, sabia e corajosamente, o partido dos “Maninhos” nos últimos 16 anos. O primeiro presidente foi Jonas Malheiro Savimbi.



Horas antes do início da votação, o Club K havia noticiado – que agora se confirmou – que as sondagens paralelas apontavam a este candidato como possível vencedor do XIII Congresso Ordinário da UNITA.

Após a votação e da contagem dos votos (estima-se que dos 1150 delegados apenas 960 exerceram este direito), confirmou-se. A Comissão Eleitoral do XIII Congresso Ordinário declarou vencedor da eleição presidencial na UNITA, o Eng.º Adalberto Costa Júnior eleito com 594 votos, representando 53 por cento de votos validamente expressos.


Já o deputado Alcides Sakala – candidato apoiado pelos filhos do lendário Jonas Savimbi e a direcção da UNITA – ficou em segundo lugar, conquistando cerca de 422 votos (37 porcento). O terceiro mais votado foi o candidato n.º 4, o lendário general Abilio Kamalata Numa que, tentando pela segunda vez alcançar o cadeirão máximo da UNITA, conseguiu nessa competição 68 votos (6,1 porcento).

O deputado Raul Danda ficou em quarto lugar, com 17 votos (1,5 porcento) e Estêvão José Pedro Katchiungo – que concorreu pela segunda vez ao cadeirão máximo – teve simplesmente 10 votos (0,9 porcento). Em gesto de ‘play affair’ político, os candidatos menos votantes reconheceram a vitória transparente do actual presidente, Adalberto Costa Júnior, exprimindo a sua disposição de servir a UNITA.

Durante três dias, os delegados ao XIII Congresso da UNITA, para além da eleição do novo presidente, discutiram e aprovaram as alterações aos estatutos e a estratégia para as autarquias e as eleições gerais, previstas, respectivamente, para 2020 e 2022.

Primeiro discurso

No seu primeiro discurso como líder do maior partido da oposição em Angola, Adalberto da Costa Júnior apontou a luta pela revisão da Constituição da República de Angola como uma das divisas do seu mandato. O presidente eleito se propôs a trabalhar também pela despartidarização do Estado, por uma comissão eleitoral independente, justa, isenta e credível.


Adalberto da Costa Júnior defendeu também a criação de um regulador do sistema financeiro independente do Executivo, bem como a melhoria das condições dos ex-militares e das viúvas de guerra.


Considerou ser necessário a mudança das más práticas, a favor da boa governação e transparência, tendo como objectivo o bem-estar e a dignidade dos angolanos.
Disse ainda que seu programa estará virado à preservação da paz e consolidação da democracia. No plano interno, entre outros, disse que vai se empenhar na recuperação do património da UNITA.

Reacções dos concorrentes

Entre os candidatos derrotados, José Katchiungo saudou o presidente eleito pela vitória expressiva, considerando a eleição uma festa da democracia.


Raúl Danda diz-se honrado por ter participado num processo que mostra ao país e ao mundo que a UNITA vive, sente e quer democracia. Afirmou que recomeça a corrida comum a bem dos angolanos, tendo se manifestado predisposto em ajudar a erguer o seu partido.


Kamalata Numa também felicitou Adalberto da Costa Júnior, reafirmando a coesão da sua militância e prontidão de servir.


Alcides Sakala, o segundo mais votados, considerou ter sido um processo para a afirmação da democracia interna, considerando o novo presidente uma peça basilar da democracia nacional.

O presidente cessante, Isaías Samakuva, pediu desculpas por eventuais falhas e incompreensões, no esforço de fazer da UNITA o “estuário” dos angolanos na luta contra a descriminação e pelo desenvolvimento do país.

Samakuva foi homenageado pelo seu trabalho, sendo-lhe outorgado a ordem Jonas Malheiro Savimbi. A mesma medalha foi também dada a Lukamba Gato.

PERFIL DO NOVO PRESIDENTE

Antes de ser eleito como presidente, Adalberto Costa Júnior foi presidente da bancada parlamentar da UNITA, o político nasceu em Chinjenje, na altura pertencente à província de Benguela, actualmente ao Huambo.

Adalberto da Costa Júnior é formado em Engenharia Electrotécnica no Instituto Superior de Engenharia do Porto e em Ética Pública na Pontifícia Universidade Gregoriana.
Ingressou na UNITA em 1975. Foi representante do seu partido no exterior do país de 1989 a 2002, em Portugal, Espanha e Itália.

Casado e com três filhos, em 2017, foi muitas vezes apontado como o potencial sucessor de Isaías Samakuva na presidência da UNITA.

Percurso

- 1980: Responsável da JURA (organização juvenil da UNITA) no Porto, Portugal;
- 1991 - 1996: Representante da UNITA em Portugal;
- 1996 - 2002: Representante da UNITA na Itália e no Vaticano;
- 2003: Secretário Provincial da UNITA em Luanda;
- 2003 - 2008: Secretário para a Comunicação e Marketing da UNITA;
- 2003 - 2009: Porta-voz da UNITA;
- 2009 - 2011: Secretário Nacional para os Assuntos Patrimoniais da UNITA;
- 2012 - 2016: Primeiro vice-presidente do Grupo Parlamentar da UNITA.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: