Namacunde - O secretário-geral do MPLA, Paulo Pombolo, reiterou hoje, terça-feira, na povoação de Ongwe, município de Namacunde, província do Cunene, o compromisso contínuo do seu partido em propor ao Executivo soluções para a melhoria das condições de vida da população.

Fonte: Angop

Ao discursar num acto de massas na povoação de Ongwe, 79 quilómetros a leste de Ondjiva, Paulo Pombolo disse que o partido sabe das responsabilidades que tem e está atento para resolver os problemas sociais ligados a fome e a falta de água.

“A província do Cunene vive a pior seca dos últimos 24 anos, estamos certos que com o início dos trabalhos de construção do sistema de captação de água do Rio Cunene, a partir da localidade de Cafu até Shana, para as áreas de Cuamato e Namacunde, o problema estará resolvido por definitivo”, afirmou.

Explicou que o MPLA, ao longo da sua história e em situações mais difíceis, manteve o desenvolvimento da economia nacional, assim como soube preservar a soberania nacional, aprofundar a democracia e consolidar a unidade nacional entre os angolanos.

Paulo Pombolo exortou os militantes a continuarem a demonstrar o espírito patriótico e vencedor para o reforço do programa do governo do MPLA, bem como a estarem preparados para participar de forma activa nas eleições autárquicas previstas para 2020.

Na povoação de Ongwe, o secretário-geral do MPLA entregou cinco toneladas de bens alimentares, água, detergentes, roupa e sapatos, aos oito mil e 782 pessoas afectadas pela seca na circunscrição.

A província do Cunene vive, desde Outubro de 2018, uma acentuada crise de água que afectou 880 mil e 172 pessoas e um milhão de cabeças de gado. Como resultado da seca já morreram 30 mil cabeças de gado bovino, caprino e suíno.

Durante a visita de trabalho de dois dias ao Cunene, Paulo Pombolo deslocou-se às comunas de Humbe, município de Ombadja e Chiedi, Namacunde, onde constatou as condições sociais dos habitantes.

Manteve também encontros com os membros da comissão executiva do seu partido e das estruturas de base para avaliar a vida interna da MPLA na região.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: