Luanda - A agência de notação financeira Moody's desceu o 'rating' do Banco Económico angolano em dois níveis, mantendo-o abaixo da recomendação de investimento, motivada pela descida na qualidade dos ativos e pela fraca solvabilidade.

Fonte: Lusa

"Esta acção de 'rating' reflete a visão da Moody's de que a qualidade do crédito individual do banco está cada vez mais afectada pela recente e significativa deterioração na qualidade dos activos, que vai, realmente, erodir as já de si baixas almofadas de capital", lê-se numa nota da agência.

 

Na nota, que explica a decisão de descer o 'rating' de B3 para Caa1, ambos abaixo do nível de recomendação de investimento, ou 'lixo', como geralmente se designa, a Moody's salienta que "o banco não vai ser capaz de restaurar a sua posição de capital sem um apoio extraordinário, devido à sua baixa rentabilidade".

 

A perspectiva de evolução, que foi revista de Estável para Negativa, "reflecte o risco de execução do aumento da capitalização do banco para níveis que permitam a esta entidade financeira garantir um modelo de negócio mais sustentável".

 

A qualidade dos activos do banco, considera a Moody's, é influenciada "pelo nível extremo de crédito malparado, que subiram 77% em 2018, e o provável incumprimento por parte do Grupo ENSA, que representa 50% do total dos activos, e que vai provavelmente resultar numa perda, o que aumenta o nível de empréstimos incobráveis".

 

Para além do elevado nível de crédito malparado, que a Moody's diz representar mais de 70% do total de empréstimos nos próximos 12 meses, a agência salienta também que o banco opera "num enquadramento legal fraco, principalmente no que diz respeito a legislação sobre falências e execução de garantias".

 

O Banco Económico, aponta a agência, "tem beneficiado de uma tolerância dos reguladores relativamente ao cumprimentos dos requisitos de capital", já que não tem almofadas para absorver mais perdas provenientes de créditos incobráveis.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: