Luanda  - Um empresário português radicado a vários anos em Angola, Gualter Alves Camelo, identificado agora como “testa de ferro” do governador de Malanje, Norberto Fernandes dos Santos "Kwata Kanawa", está a ser denunciado como estando a merecer proteção das autoridades locais na exploração ilegal de diamantes na reserva do Milando, ao município de Cunda-Dia-Baze.

Fonte: Club-k.net

Gualter Alves Camelo é sócio gerente  da AGRINSUL - SGPS, S.A. uma empresa com negócios na província de Benguela mas que ultimamente expandiu-se em Malanje em associação com os alegados   interesses privados de um dos filhos de Norberto Fernandes dos Santos "Kwata Kanawa". 

 

Segundo apurou o Club-K, no passado dia 19 de Dezembro, o empresário Gualter Alves Camelo na qualidade de Presidente da AGRINSUL - SGPS, S.A realizou uma grande extração de recolha de diamantes na qual esteve presente o chefe da operação transparência do garimpo ilegal, Comissário António José Bernardo, “Tony Bernardo”.

 

De acordo com denuncias locais, tanto a AGRINSUL - SGPS, S.A como o seu PCA, Gualter Alves Camelo não tem licença de exploração de diamantes emitida pela Endiama pelo que fontes locais  levantam acusações de se estar num quadro de ilegalidades com a cumplicidade das autoridades. 

 

“O Senhor Gualter Camelo não tem licença de diamantes e esta a realizar exploração na reserva do Milando”, denunciou  uma fonte ao Club-K acrescentando que o mesmo usa a proteção da polícia local para se aproximar da área impedindo a população das suas atividades naquele perímetro.

 

A AGRINSUL - SGPS, S.A de Gualter Camelo começou a instalar-se neste região para exploração de pedras preciosas desde Novembro de 2019 até a presente data. Há conhecimento que terão explorado pedras rosas, pedras azuis descrita como de boa qualidade rendendo aos cofres da empresa lucros. 

 

Gualter Camelo que esta a frente do projecto tornou-se numa figura impopular na área na qual pensam sobre si acusações de maus tratos aos sobas locais. Em Angola já teve outros problemas com a justiça   ligados a imputações de  pedofilia.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: