Luanda - O embaixador da China em Angola, Gong Tao, desaconselhou, ontem, em Luanda, o repatriamento de cidadãos estrangeiros em território chinês, sobretudo na cidade de Wuhan, epicentro da epidemia Coronavírus (COVID-19).

Fonte: JA


O diplomata chinês, que falava em conferência de imprensa, considerou normal que familiares de estudantes na China, entre eles angolanos, defendam o seu regresso aos países de origem, mas Gong Tao pediu calma, até porque os casos de infecção continuam a baixar.


Além disso, Gong Tao sublinhou que há uma orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS) no sentido de que não haja movimentação. "Respeitamos o desejo de evacuação mas, para nós, a situação já está a ficar estabilizada. É mais seguro ficar em casa. Este é o conselho da OMS. Ninguém sai e ninguém entra, para evitar-se a contaminação”, disse.


O embaixador garantiu estarem criadas as condições para que não falte o essencial ao pessoal que se encontra em quarentena, em Wuhan. Deixou claro que não há distinção no tratamento. Chineses e cidadãos estrangeiros, entre eles angolanos, têm os mesmos direitos. "Os serviços sociais básicos estão garantidos. Há comida, bebida e materiais de higiene pessoal", disse Gong Tao.


Durante a conferência de imprensa, foram divulgados vídeos de dois estudantes angolanos a garantirem que estavam bem e que recebiam apoio das autoridades chinesas. O embaixador chinês disse que tem havido boa colaboração com o Executivo angolano, sobretudo na troca de informações.


O diplomata garantiu que o crescimento económico da China não será afectado com o COVID-19, pois trata-se de uma situação temporária. "Vamos vencer o combate à epidemia e garantir o desenvolvimento económico", assegurou.

Investigações para a vacina


O embaixador da China em Angola informou que prosseguem, no seu país, investigações científicas para que se encontre uma vacina contra o COVID-19.


“Acreditamos que a vacina vai surgir", afirmou Gong Tao, sublinhando, entretanto, que isso leva algum tempo (meses ou mesmo um ano), razão pela qual devem ser mantidas as acções de prevenção contra a epidemia.


Durante a conferência de imprensa, foram apresentados os últimos dados sobre a epidemia, que mostram a queda nos números de novas infecções e mortes.
No início do surto, as infecções atingiram os 2.000 casos por dia, mas na terça-feira foram apenas 406, num total de 439 suspeitos. Na terça-feira, morreram 52 pessoas e foram curados 2.422 pacientes.


De acordo com os dados, até à meia noite de quarta-feira foram confirmados 48.064 casos de COVID-19, dos quais 45.604 na China, 2.461 no resto do mundo, entre os quais dois em África (Egipto e Argélia).


Na China já morreram 2.715 pessoas e 34 no mundo. Naquele país asiático foram curados 29.745 pessoas, mas existem 2.491 casos suspeitos.


Bié recebe termómetros

A província do Bié conta, desde ontem, com quatro termómetros para ajudar a detectar o Coronavírus, segundo o director do Gabinete Provincial da Saúde, João Campos.


Os testes, acrescentou, serão feitos no aeroporto, na estação dos caminhos-de-ferro e nos controlos que dão acesso à província.


“Recebemos quatro termómetros de infravermelhos, para controlarmos os pontos de entrada, como o aeroporto, a estação dos caminhos-de-ferro e controlos rodoviários, onde serão colocados técnicos, que vão trabalhar com a Polícia Nacional, para evitar casos de Coronavírus na província”, afirmou.


Segundo João Campos, em casos de suspeita far-se-á a recolha de sangue, que será enviada para Luanda.

Concurso público


A província do Bié tem disponíveis 300 vagas para o sector da Saúde, cujos testes de ingresso começaram ontem na cidade do Cuito.

 

Segundo o director do Gabinete Provincial da Saúde, hoje serão realizados os testes do pessoal não técnico e de apoio administrativo.

 

“No dia 28 teremos os testes dos enfermeiros, licenciados em enfermagem e técnicos de enfermagem”, afirmou.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: