Luanda - As energias renováveis são e continuarão acessíveis e fiáveis; estas serão combinadas com recursos flexíveis de geração de energia de arranque rápido , tal como motores, cujo funcionalmente permite satisfazer a procura em picos, e compensar a intermitência.

Fonte: Club-k.net

É indiscutível que a transição energética integra energias renováveis ​​na rede de produção de eletricidade é uma realidade que se implanta globalmente. Isso verifica-se em diferentes ritmos e escalas, dependendo do país, mas o aumento constante da procura e a queda contínua nos preços dessas tecnologias, implicará que as energias renováveis ​​formarão a base do fornecimento de energia às redes elétricas no futuro.


Na verdade, é mais uma revolução do que uma transição, dada a rapidez com que a parte de energia renovável cresce atualmente e a queda já observada nos preços dos kWh renováveis ​​produzidos.


O mesmo vale para o continente Africano, e em particular no norte e oeste da África, onde Egito, Marrocos e Senegal já embarcaram, em escalas reconhecidamente diferentes, na introdução de energias solar e eólica. Se, por exemplo, os projetos no Egito são grandes, estes permanecem marginais em relação à capacidade instalada, enquanto o Senegal já inclui 18% de renováveis no seu mix de energia e tem a ambição de atingir 30% em 10 anos.

No entanto, como as energias renováveis ​​são intermitentes por natureza, estas geram instabilidade nas redes de eletricidade, colocando enormes dificuldades para as operadoras e, consequentemente, para os consumidores. As capacidades de produção não flexíveis, normalmente a centrais a carvão, terão, portanto, de ser substituídas por meios de produção muito mais flexíveis. Teremos que confiar numa combinação de soluções de armazenamento de energia e tecnologias baseadas em motores, que oferecem os melhores tempos de resposta, para se adaptar efetivamente a excessos ou deficits repentinos na produção renovável.



Curiosamente, a crise do Covid-19 e as suas fases de confinamento dão-nos uma amostra do que nos espera em 2030 na África. Oferecemos em tempo real uma simulação, em larga escala, dos efeitos da maioria das energias renováveis ​​no mix de produção de energia. À medida que a procura de eletricidade cai na Europa devido a medidas de contenção, as instalações de geração renovável continuam a produzir “just-in-time”. Como resultado, instalações de produção a carvão tornam-se a variável de ajuste e são paradas logo que possível, o que aumenta significativamente a importância relativa das energias renováveis ​​no parque de produção.

Por exemplo, no Reino Unido, no período de 10 de março a 10 de Abril, a parte de energias renováveis ​​atingiu 43% da produção, enquanto no período homólogo de 2019 era de 10%! Ao mesmo tempo, a parcela de eletricidade produzida pelas centrais a carvão caiu 35%. No final do mês, todas as centrais de carvão foram fechadas. Na Alemanha, no mesmo período, a parte de energia renovável alcançou 60% da produção, aumentando 12%, enquanto a parte de eletricidade produzida pelas centrais a carvão caiu 44%. No final de Abril, a parte de energias renováveis ​​atingiu quase 80% por vários dias seguidos, sendo que o tempo estava muito agradável e havia muito vento. Por três dias, a Alemanha teve que pagar para exportar massivamente seu excesso de eletricidade, por incapacidade de ajustar sua ferramenta de produção "inflexível".

A principal lição a ser aprendida? A velocidade da transição energética impõe critérios adicionais nas opções de investimento para garantir a sustentabilidade e a melhor rentabilização económica da rede de energia de um país. A adequação entre os tipos de tecnologias no mix de energia, custos de produção e consumo mudou radicalmente com a introdução maciça de energias renováveis. Ainda mais hoje do que antes, o preço de produção de um kWh só é otimizado pela combinação inteligente de diferentes tecnologias para o melhor desempenho, o menor risco de interrupção, independentemente da evolução consumo.

As previsões mostram que até 2050, a energia solar fotovoltaica poderá representar mais de 50% da produção total de eletricidade na África. As energias renováveis ​​são e permanecerão acessíveis e confiáveis; estas serão combinados com recursos flexíveis de geração rápida de energia, como motores, que lhes permitem operar para atender aos picos de procura e compensar a intermitência. Esses motores também oferecem segurança adicional, pois podem funcionar tão bem com gás quanto com fuel no caso de um corte no suprimento de gás, mas também com biocombustíveis quando estes se tornam economicamente competitivos e amplamente disponíveis.



Introduzir uma forte componente de flexibilidade na nossa produção de eletricidade não é uma opção se queremos dar um lugar de destaque às energias renováveis. Sem flexibilidade, a revolução energética não acontecerá.

*Patrick Borstner, Regional Director, Africa East, Wärtsilä Energy Business



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: