Luanda - Para enfrentar a pandemia da Covid-19, foi realizada a Cimeira Extraordinária China-África em 17 de Junho. O Presidente chinês, Xi Jinping, presidiu ao evento e proferiu um discurso muito importante.

Fonte: JA

O Presidente Xi Jinping realçou que perante a Covid-19, a China e a África têm oferecido apoios mútuos e lutaram ombro a ombro, e manifestam ainda mais solidariedade e reforçam a amizade e confiança mútuas. Independentemente da evolução da cena internacional, nunca se muda a determinação da China de fortalecer a solidariedade e a cooperação com a África.


De facto, o surto da Covid-19 tem afectado todos os países no mundo e causado a perda de várias centenas de milhares de vidas preciosas. Nesse contexto específico, o grande significado da Cimeira Extraordinária China-África é que a China, África, Nações Unidas e OMS estão trabalhando em conjunto para combater a epidemia, que não apenas afectará profundamente a situação antiepidêmica no continente africano, mas também abrirá novos caminhos e mostrará novas perspectivas para a cooperação da saúde pública internacional.


O Presidente Xi apresentou importantes iniciativas e planos da China, que foram aplaudidos pelos participantes. Primeiro, lutaremos veementemente contra a Covid-19. A parte chinesa continuará a apoiar a parte africana para o controlo da situação, fornecendo materiais essenciais, enviando equipas de especialistas médicos aos países africanos e auxiliando a aquisição dos materiais de biossegurança na China. A parte chinesa adiantará para 2020 a construção da sede do Centro Africano de Controlo e Prevenção de Doenças, e trabalhará junto com a parte africana para implementar a iniciativa de Acção de Saúde e Higiene e acelerar a construção dos Hospitais de Amizade Sino-Africana, construindo juntos uma comunidade sino-africana de saúde. Os amigos angolanos bem sabem que a China sempre esteve com vocês na primeira linha da luta contra a epidemia. Nos últimos 4 meses, a parte chinesa, inclusive o Governo, empresas e comunidade chinesa residente em Angola, já efectuaram mais que 60 vezes doações e assistências à parte angolana. A parte chinesa promete que, assim que a vacina chinesa esteja concluída, o seu desenvolvimento e pronta para ser aplicada, os países africanos, incluindo Angola, serão os primeiros beneficiários.


Segundo, impulsionaremos inabalavelmente para reforçar a cooperação sino-africana. Tanto a China quanto África são oportunidades recíprocas de desenvolvimento. A China promoveu consistentemente o desenvolvimento e a prosperidade mútua através do fortalecimento da cooperação com África. A China apoia o desenvolvimento da Zona de Comércio Livre Continental Africana, o reforço da construção da conectividade e fortalecimento das cadeias industriais e de suprimentos na África. A China está disposta a, em conjunto com a África, explorar novas formas de cooperação, tais como a economia digital, a cidade inteligente, a energia limpa e as comunicações de 5G, impulsionando o desenvolvimento e a revitalização da África. A parte chinesa encoraja as instituições financeiras chinesas a ter a Iniciativa de Suspensão do Serviço da Dívida do G20 como referência e manter consultas amistosas com os países africanos conforme os princípios do mercado, para elaborar disposições aos empréstimos comerciais com garantias soberanas.


Terceiro, defenderemos inequivocamente o multilateralismo. Face ao surto da Covid-19, a solidariedade e a cooperação são as nossas armas mais fortes. A China está disposta a trabalhar com a África para defender o sistema de governação global centrado na ONU e apoiar a OMS nos seus esforços para contribuir mais para o combate mundial à Covid-19. China e África devem trabalhar juntos para lidar com vírus existentes na natureza e se opor firmemente a "vírus políticos" tais como politização e estigmatização da Covid-19, discriminação racial e preconceitos ideológicos.


Quarto, promoveremos firmemente a amizade China-África. Na luta contra a epidemia, China e África compartilham a felicidade e o sofrimento, e a amizade é ainda mais profunda. Um jovem angolano de 23 anos, Valdemar Rodrigues Augusto Tchipenhe, usou conhecimentos sofisticados que aprendeu na China para ajudar a África a combater o vírus, e trabalha no laboratório chinês "Olho de Fogo" na África, melhorando bastante a prevenção e controlo de epidemias locais. Este é o verdadeiro retrato da amizade China-África.


Em suma, estamos dispostos a trabalhar em conjunto com Angola e outros países africanos para construir uma Comunidade China-África de Destino Comum e a Comunidade China-África de Saúde Comum. De certo venceremos a vitória final contra a epidemia e os nossos povos terão uma vida ainda melhor.

*Embaixador da China em Angola

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: