Luanda - Se estes cantores de Angola tivessem pelo menos uma mínima ideia da dimensão do poder que têm eles seriam grandes agentes culturais e excelentes actores sociais e sem muito esforço conseguiriam mudar muita coisa, principalmente a promoção da beleza da mulher preta, afinal existem ainda muitos abismos por descortinar devido ao trabalho que o colonialismo fez na destruição e invisibilização da beleza da mulher preta, seus vídeos quando não promovem a mulher branca, promovem a beleza e o padrão de mulheres de tez mais clara com descedência colonial, e quando promovem mulheres pretas fazem dentro do auto-ódio e da ditadura da Beleza, representando mulheres pretas com próteses capilares absurdas, pinturas e maquilhagem extravagante, lentes de contacto para clarear os olhos, ou até mesmo um padrão de objectificação perigoso que nos leva a viajar na agressão que a ancestral Sara Bartman sofreu, a pornografia, a leviandade e outros padrões que imoralizam a mulher preta Africana, a Hipersexualização e objectificação dos corpos pretos e o estereotipo do corpo"exótico" como narrativa de enquadramento.

Fonte: Club-k.net

Músicas sem conteúdo potencialmente nocivas a saúde social são promovidas como se de projectos políticos de tratassem, projectos virados a imoralização social e destruição do pensamento crítico da juventude, Rádios, TV, Jornais Galas de premiação premiam a vulgaridade, a promiscuidade, que se transforma no cartão postal de uma juventude entorpecida pela violência social e seus derivados, a imoralização e a naturalização dos comportamentos nocivos e destrutivos, parecem ser uma agenda de orientação cultural que transforma o MPLA no ópio do povo, principalmente daquelas populações privadas de educação mais básica, sedadas com bebidas alcoólicas, que não param de correr em zonas sem água potável nem os mais básicos serviços sociais, um verdadeiro Holocausto psicológico promovido pela máquina do Estado.


Politicamente se os artistas Angolanos tivessem consciência, seriam actores de mudança e deixariam Governos vulneráveis as vontades das populações, se a classe artística Angolana somente soubesse o poder que tem para um projecto de mudança, Angola seria um bom lugar para se viver, mas estes artistas são verdadeiros analfabetos culturais, vendidos, sem consciência politica, social ou cultural, são um bando de parasitas gananciosos, promovem imbecilidades, alienação e continuam a guerra contra a beleza da mulher preta Africana, seus vídeos continuam a ter mulheres de pele mais clara como verdadeiros objectos de ostentação e de uma ilusão grotesca de status que ninguém minimamente lúcido consegue compreender, Eles com ajuda da máquina Politica do MPLA promovem toda a degradação social, a pornografia, são tão imorais que tudo que fazem é ajudar o MPLA no projecto de perpetuação no poder de Angola, não se importam com nada, "não falam politica" que não seja as suas contas bancárias, e quando aqui está tudo lixado, como gafanhotos que devastam plantações, imigram para novos pastos na Europa, lá onde investem o dinheiro que mamam de um povo igualmente alienado e profundamente ignorante, que passa a ser uma extensão de toda violência artística que eles produzem...


Se estes artistas Dangola tivessem consciência do poder que têm...Não seriam artistas..Seriam os revolucionários dos nossos tempos.

Atentamente...Velho Pengwa

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: