Luanda - O que aconteceu com a nossa Namíbia! com o Primeiro-Ministro Hage Geingob, que em 1998 liderou uma conferência nacional sobre ética e corrupção que gerou grandes planos de boa governança na Namíbia? Certamente, não pode ser que a promoção de Geingob ao Presidente tenha se traduzido em etapas atrasadas.

Fonte: Club-k.net

Hage Geingob, Presidente da República da Namíbia, parece estar muito longe do Primeiro-Ministro, Hage Geingob da década de 1990.

No início deste ano, o Presidente Geingob anunciou durante a mensagem ofícial do ano novo que 2020 séria 'o ano da introspecção.

Sua declaração seguiu revelações da grande corrupção liderada pelo governo de que o sector pesqueiro estava financiando as batalhas faccionais da Swapo e enchendo os bolsos de camaradas.

Com cinco meses restantes em 2020, os primeiros sinais de introspecção vieram na semana passada, quando Geingob liderou um post-mortem da Swapo. Isso não foi encorajador.

A reunião foi na verdade um sinal claro de que Geingob e seu governo estão preocupados com o facto de a Swapo poder perder o poder do governo. Eles não vêem necessidade de consertar a fibra ética e moral quebrada da Namíbia.

A introspecção anunciada pelo chefe de estado deveria ter sido, por definição, um processo nacional. E, para ser claro, deve ser um processo em oposição a um evento.


O Presidente Geingob pode consultar o Primeiro-Ministro Geingob para o projeto de 1998 de um processo consultivo em âmbito nacional destinado a criar sistemas e instituições para nutrir a ética e a integridade da sociedade.

No início de 1998, o Primeiro-Ministro Geingob encarregou o secretário do gabinete Isaac Kaulinge de criar equipes técnicas, incluindo ombudsman, Auditor Geral, promotor geral e actores não governamentais (incluindo sindicatos, sector empresarial e organizações cívicas) para planejar uma conferência nacional no final daquele ano.

As equipes técnicas cruzaram a Namíbia, conversando com membros do público e coletando informações através de pesquisas e pesquisas.

A conferência nacional de 1998 sobre a promoção da ética e o combate à corrupção fez recomendações abrangentes para a boa governança: um código de conduta ética para todos os indicados políticos e funcionários do governo; divulgação pública de activos e quaisquer interesses conflitantes; estudos éticos a serem incluídos no currículo escolar; instituições para o papel público da sociedade civil na luta contra a corrupção; e fortalecimento do Auditor Geral, ouvir e procurador geral.

Também foi decidido o estabelecimento do que se tornou a Comissão Anticorrupção (ACC), mas reforçado com garantias de independência dos executivos do governo.


O ACC deveria recrutar sua própria equipe, por exemplo. Portanto, é desconcertante ouvir o actual Diretor do ACC, Paulus Noa, não apenas dar as boas-vindas a um espião de carreira como executivo-chefe, mas dizer que não havia nada de errado com o governo da época nomear os principais funcionários do ACC como ele e seus gerentes.

Somente um patife ou uma pessoa ignorante pode receber instalações governamentais tão flagrantes em uma organização criada para eliminar a corrupção do mesmo governo.

De qualquer forma, a conferência de Geingob em 1998 defendeu uma agência anticorrupção que seria responsável apenas pelo parlamento.

Portanto, é preocupante ver Geingob presidindo instituições de vigilância muito enfraquecidas, apesar de afirmar que estava construindo responsabilidade e boa governança para a Namíbia.

Há um mês, o Ministro da Defesa Hafeni Vilho demonstrou o desprezo que os políticos e burocratas têm pela prestação de contas quando criticou o Auditor Geral por publicar o abuso de recursos dos contribuintes nas forças armadas. Por exemplo, o Auditor Geral destacou como o ministério estava pagando salários e subsídios a um adido militar fantasma (inexistente) na República Democrática do Congo.

Não espere que ninguém no ministério da defesa pague os fundos públicos roubados ou mesmo passe por qualquer processo disciplinar transparente.

Essas são as profundezas da Namíbia desde os anos 90, quando o Primeiro-Ministro Geingob estava em negação, argumentando que a corrupção "não era um problema sério", mas pelo menos tomou medidas para começar a limpar a casa.

Agora, a Namíbia parece ter procurado os cães com um governo que nem sequer está disposto a passar por um processo nacional de introspecção - como um alcoólatra que ainda admite o vício.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: