Luanda - O presidente cessante do Conselho Nacional da Juventude, António Francisco Tingão Mateus, realizou hoje, 25 de Agosto, a conferência de imprensa na Sede Nacional e o cancelamento da VIIª Assembleia Ordinária do CNJ prevista para a próxima sexta-feira, 27.

*Isidro Kangandjo
Fonte: Factos Diarios

Tingão Mateus, começou por apresentar as irregularidades na composição da Comissão eleitoral, que afirma que os senhores Belchior de Carvalho e Samuel Correias Victor, não representam nenhuma associação e foram colocados apenas pelo coordenador da CNP, tudo ao arrepio do Regulamento Eleitoral violando o art. 9º nº. 02 do RE.


No dia 13 de Junho, foi realizado na capital do país, município de Viana as eleições do CPJ para eleger o representante da província, no qual o vencedor foi o senhor Isaías Mateus. Ao concorrer no cadeirão máximo do CNJ, segundo o presidente cessante, a UNE-Angola deveria antes solicitar a substituição do seu representante que foi eleito a nível do CPJ-Luanda, o não procedimento viola o art. 71º dos estatutos do CNJ.


“Por imperativo estatutários, a UNE-Angola está impedida de concorrer ao Pleito Eleitoral e, como se não bastasse, a mesma e as demais integrantes que a servem de base de apoio, não pagaram quotas”, disse Tingão Mateus.

APOIO LONGÍSTICO DO CONGRESSO NÃO É DE ORIGEM OFICIAL


Foi avançada nessa conferência de imprensa que a comissão preparatória remeteu a planilha com a programação ao Ministério da Juventude e Desporto, o apoio logístico para a realização da Assembleia, porém, o Ministério indeferiu no dia 09 de Agosto que não há condições para o efeito. A comissão recorreu também aos parceiros e este tiveram uma resposta semelhante.


“Se o MJD e os parceiros não têm condições logísticas para realização da Assembleia, qual é a origem da logística que se está usar para a realização da Assembleia? Ou melhor, quem está a patrocinar financeiramente a realização da Assembleia? Devemos que conhecer a proveniência destes recursos, uma vez que a sua origem não é de fonte oficial”, disse o presidente cessante.


Tingão Mateus, afirma que em homenagem ao princípio da Legalidade, não estão criadas as condições para a realização da VIIª Assembleia Geral de Balanço de Renovação de Mandato do CNJ, logo, “A MESMA NÃO SE VAI REALIZAR NO DIA 27 DO PRESENTE MÊS COMO SE PRETENDIA. Apelamos as Associações Juvenis membros do Conselho Nacional de Juventude, a manter calma e tranquilidade que procuremos realizar nos próximos tempos uma assembleia em dimensão do CNJ”, rematou.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: