Luanda - Mais de 70 trabalhadores que prestam serviços num posto de abastecimento de combustível, em Luanda, Angola, controlada pela Sonangol mantêm uma greve há25 dias em protesto contra o fato de não possuirem um contrato de trabalho há quatro anos.

Fonte: NJ

Os trabalhadores acusam a Sonangol de querer entregar os seus postos de trabalho a uma concessionária não podendo garantir o emprego de todos.



Jones Damião, representante dos trabalhadores filiados no Sindicato dos Trabalhadores Organizados do Setor Petrolífero e Afins de Angola, (STOSPA) disse que a Sonangol “ insiste que não deve resolver o problema” ..Damião disse que o conflito se deve ao facto da Sonangol sub contratar “outra empresa que vem gerir e ele sai”.


“Se nós assinarmos esse acordo eles automaticamente ficam ilibados de toda a responsabilidade”, acrescentou.



Damião afirma que o impasse está no facto de a Sonangol só querer assumir os contratos de 50 por cento dos trabalhadores e outros 50% “ficarem a sua sorte” .



“Só que não dão garantia da manutenção dos postos de trabalho a 100% dos trabalhadores”, acrescentou afirmando que os trabalhadores estão dispostos a apresentar uma contra proposta e a negociar.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: