Luanda - Subordinado leva ao Tribunal, seu Oficial superior, por causa de um Assalto a uma padaria no Golf 2, perto da Esquadra dos contentores, vulgo "30.ª", sob olhar silencioso da Policia Local, que levou ao desconto salarial de 5 dias ao Comandante Makenzo, destacado naquele posto, insatisfeito, levou o caso ao Tribunal Militar, onde arrolou o Comandante Municipal do Kilamba-Kiaxi "Ruben" como Arguido no processo, mesmo este ter tentado informar a ocorrência ao subordinado!.

Fonte: Reporterangola.info
Comandante municipal do Kilamba-Kiaxi, Ruben, constituído arguido pelo Tribunal Militar, após ter sido notificado como declarante num processo que envolve o seu subordinado, o Comandante Makenzo da Esquadra do Golf2, que na altura dos factos, em Fevereiro do ano corrente, terá registado uma ocorrência numa padaria.

A fonte do Tribunal Militar adiantou ao Repórter Angola que ”tudo começou em Fevereiro de 2020, quando uma padaria estava a ser assaltada e foi accionado o Comando Policial do Kilamba-kiaxi, e na pessoa do comandante municipal Ruben, chegou a ligar ao Comandante da Esquadra em causa do Golf 2, no caso a do Intendente Makenzo, para informar que decorria um assalto sob área da sua juridição, este por sua vez não atendeu ao telefone quer por via rádio, quer por chamadas normais em mais de 9 vezes e o assalto, ocorreu”, adiantou, “atenuado pela ocorrência”, apenas lhe foi descontado no salário, como 5 dias de faltas, e este por sua vez, insatisfeito, recorreu ao Tribunal Militar, onde apresentou a queixa, tendo arrolado o Comandante Municipal do Kilamba-Kiaxi que por sinal seu superior hierárquico, como arguido” adiantou o Oficial da Justiça Militar, identificado apenas por Esteves.

”Desde Fevereiro foi desenrolando, no Comando Provincial da Policia e posteriormente, encaminhado ao Tribunal Militar por insatisfação do queixoso que hoje foi condenado a prisão, depois de 4 horas de julgamento onde compareceram o Comandante Municipal Ruben e o seu Director de Justiça e disciplina, o Intendente Albino Flávio” revelou a fonte.

o Repórter Angola, sabe junto do Tribunal Militar de que o Julgamento, começou as 9h e terminou perto das 14horas, no que se torna num primeiro caso da justiça , onde um sub-ordinário apresenta queixa a um superior hierárquico.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: