Lisboa - A vida de D. Nicolau, príncipe angolano do Congo, que visitou Portugal no século XIX para tentar manter rotas de escravos num tempo em que a escravatura já era condenada, é o tema de um livro agora publicado.

Fonte: Lusa

Em meados do século XIX, o reino do Congo, no norte de Angola, vivia do tráfico de escravos, mas Portugal estava a ser pressionado pelos parceiros diplomáticos para extinguir esse comércio, escreveu o historiador e jornalista Xavier de Figueiredo.

 

A visita de D. Nicolau a Lisboa, com o furor que à época gerou, foi a última tentativa diplomática do reino angolano, que acabou por determinar também a sua extinção, tendo sido completamente absorvido pelo poder colonial.

 

O livro “Príncipe do Congo”, da editora Guerra e Paz, retrata a biografia do nobre angolano, num registo “jornalístico e histórico”, explicou o autor.

 

“O ‘Príncipe do Congo’ tem que ver com um período chave daquilo que foi a história colonial de Angola” e aborda a vida de uma “pessoa que aparece e tem uma acção que merece ser contada pela sua invulgaridade”, salientou.

 

Até então, toda a economia colonial em Angola “tinha alguma coisa a ver com o tráfico de escravos”, numa “monoeconomia”, que pode ser comparável à dependência actual do petróleo.

 

Depois do fim do comércio de escravos, “passou-se para uma economia diversificada, assente nas minas, pescas, agricultura”, explicou o autor, que lamentou ainda a falta de atenção da opinião pública portuguesa aos temas africanos.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: